Receba nossa news

  •  
  •  
Você está aqui: Home 292 - Março/2017 - Eficácia comprovada Comuns na população

292 - Março/2017 - Eficácia comprovada

Comuns na população

vascularCom o aumento da longevidade, cresce também a incidência de doenças vasculares, como hemorroidas e varizes, que devem merecer atenção especial no ponto de venda

Os problemas vasculares são a principal causa de morte e complicações graves em muitos países, inclusive no Brasil. A incidência dessas doenças tem aumentado, principalmente, por conta da maior longevidade da população, já que a possibilidade de se ter um problema vascular aumenta com a idade. Outros agravantes são o fumo, que ainda é muito comum, e o surgimento de medicamentos, como os hormônios, que trazem como efeitos colaterais esse tipo de problema, de acordo com o médico docente do Departamento de Cirurgia e Ortopedia da Faculdade de Medicina de Botucatu, Dr. Francisco Humberto Maffei, autor do tratado Doenças Vasculares Periféricas. 

A doença vascular mais comum é a aterosclerose, espécie de placas fibrosas ou gordurosas que se formam no interior das artérias e sobre as quais podem se formar trombos que as obstruem. Outra doença arterial grave é o aneurisma, principalmente o da aorta. Já a trombose venosa profunda é a formação de um coágulo dentro de uma veia e é outra doença vascular séria. As tromboses aparecem, principalmente, como complicações em pacientes operados e acamados. Outros fatores que podem desencadear a trombose são o uso de anticoncepcionais hormonais e viagens prolongadas. 

Manifestações de doenças vasculares menos fatais, porém não menos importantes, são as hemorroidas e as varizes, muito comuns na população. De acordo com a Sociedade Brasileira de Coloproctologia, hemorroidas são veias dilatadas na região anal. Existem dois tipos de hemorroidas: internas e externas, conforme a posição. As hemorroidas externas se formam no canal anal e região externa, sendo recobertas por uma pele bem sensível. As internas estão na parte bem interior do ânus e são recobertas pela mucosa intestinal.

Os sintomas mais comuns são dor, sangramento e prolapso. Algumas vezes, o prolapso é redutível. O sangramento pode ter intensidade variável, mas geralmente é vermelho vivo. Um inchaço persistente pode gerar sensação de inflamação, desconforto e dor. A coceira (prurido) também é um sintoma comum.

Segundo o especialista em cirurgia digestiva e coloproctologia, Dr. Fernando Valério, os sintomas da doença hemorroidária são algumas das queixas mais comuns da civilização moderna, e acredita-se que, pelo menos, 50% dos indivíduos com idade acima dos 50 anos já tenham experimentado algum sintoma relacionado à hemorroida durante a vida. 

Mesmo em jovens, com idade entre 20 e 40 anos, os sintomas podem estar presentes em 20% das pessoas. Ambos os sexos são afetados igualmente. A grande maioria das pessoas utiliza-se de medicamentos e pomadas comercializados comumente quando surgem os primeiros sintomas e, quando essa tentativa de tratamento inicial não obtém sucesso, o médico é procurado, principalmente nos casos mais severos.

Tipo de hemorragia

• Primeiro grau: ocorre apenas o sangramento sem prolapso.   

• Segundo grau: sangramento e prolapso, porém, com redução espontânea. 

• Terceiro grau: sangramento e prolapso, porém, com redução manual. 

• Quarto grau: sangramento e prolapso irredutível.

 

Causas das hemorragias

Fatores como ressecamento, uso crônico de laxativos, gravidez, além de rotinas profissionais ou esportivas, podem aumentar mais a pressão dentro das veias, o que as leva a se dilatar. A hereditariedade (herança genética) também é reconhecida como um fator importante para o desenvolvimento de hemorroidas. Além disso, especialistas acreditam que a postura ereta, característica da raça humana, aumenta a pressão nas veias e pode ocasionar a doença.

Sintomas leves, normalmente, são tratados por meio da correção dos hábitos alimentares, aumentando a ingestão de água e de fibras. São boas fontes de fibras, os cereais, os alimentos integrais, as frutas e os vegetais. Diminuir o esforço para evacuar é muito importante para não piorar o problema. Nos casos em que as medidas clínicas não resultam em um bom controle dos sintomas, pode ser necessário um tratamento definitivo por meio de procedimentos, que vão desde a ligadura elástica até a cirurgia propriamente dita.

Segundo o Dr. Valério, o paciente deve realizar a higiene somente com água (sem a utilização de papel higiênico), banhos de assento com água morna para que haja um efeito anti-inflamatório e utilizar pomadas analgésicas e anestésicas. Quando o prurido e irritação são intensos, podem ser utilizados cremes e pomadas à base de corticoides. Nos casos de dor forte, como ocorre na trombose hemorroidária, os analgésicos por via oral também podem ser utilizados. Nos casos de trombose, ainda podem ser utilizados medicamentos que aumentem o tônus do plexo venoso e a sua permeabilidade, fazendo com que o fluxo sanguíneo seja incrementado nas veias obstruídas pelos coágulos, com consequente diminuição do volume das hemorroidas comprometidas.

 

Varizes

As varizes são veias dilatadas e tortuosas que surgem ao longo das pernas e que perderam a capacidade de drenar o fluxo sanguíneo no sentido correto, podendo causar dor e inchaço, conforme explica a especialista em cirurgia vascular e flebologia estética e ex-diretora do Departamento de Fleboestética da Sociedade Brasileira de Flebologia e Linfologia, Dra. Priscila Nahas.

As veias das pernas, que reconduzem o sangue ao coração, após ter irrigado os membros inferiores, possuem válvulas cuja finalidade é impedir o retorno do sangue aos pés pela ação da gravidade. Às vezes, essas válvulas não funcionam com eficiência e o sangue empoça nas veias, provocando deformação, inchaço e alterações na sensibilidade da pele.

A principal causa é a predisposição genética, ou seja, a doença é passada de geração a geração, caso pais, avós e tios apresentem os mesmos sintomas. As mulheres são as mais prejudicadas. São registrados entre 2,5 e 3 casos de mulher com varizes para cada homem com a doença. O motivo são os hormônios femininos que diminuem a força das paredes das veias, deixando os vasos mais fracos. Por isso, reposição hormonal e métodos anticoncepcionais podem fazer com que as varizes apareçam antes da hora. Pela mesma razão, durante a gravidez, as chances também crescem e aumentam a cada nova gestação. A idade é outro fator de risco. 

“O primeiro sinal que o paciente deve identificar que é hora de procurar ajuda, geralmente, é visual: uma vez identificada alguma alteração visível, o especialista deve ser consultado. Peso e cansaço nas pernas no fim do dia constituem sintomas que sempre devem ser valorizados”, comenta a Dra. Priscila.

A médica conta que, atualmente, existe um amplo arsenal medicamentoso para o tratamento das doenças venosas, que varia desde pomadas que aliviam os sintomas até medicamentos homeopáticos e alopáticos, com diferentes mecanismos de ação.

“O farmacêutico, desde os tempos mais remotos, representa figura de confiabilidade, mas, atualmente, tem um papel fundamental na orientação do paciente, pois está apto a diferenciar o mecanismo de ação de cada droga, bem como sua interação com outros medicamentos e efeitos colaterais”, fala a especialista. 

Ela exemplifica apontando que dois medicamentos com o mesmo princípio ativo podem apresentar reações adversas em relação à liberação micronizada, evitando assim alguns efeitos colaterais indesejáveis. “Portanto, é fundamental que o farmacêutico oriente o consumidor que medicamentos aparentemente iguais podem ter efeitos bastante diferentes”, defende.

A Dra. Priscila faz um alerta dizendo que, muitas vezes, o paciente questiona a veracidade do efeito divulgado na mídia e, neste momento, é fundamental o farmacêutico, bastante conhecedor da atuação dos produtos, esclarecer a população de que não existe nenhum medicamento, tópico ou oral, que promova a cura das varizes ou o desaparecimento delas, bem como dos vasinhos tão indesejáveis 

Livre de varizes

Recomende aos clientes que: 

• Evitem ficar de pé, parados na mesma posição, por muito tempo. Se estiverem em uma fila, movimentem os músculos das pernas. Isso ajuda o sangue a circular. 

• Elevem as pernas acima do nível do coração por alguns minutos para facilitar o retorno do sangue para o centro do corpo algumas vezes ao dia. 

Se necessário, usem meias elásticas logo pela manhã, antes de se levantarem da cama. 

• Andem a pé. Caminhar é fundamental para prevenir varizes.


Autor: 
Egle Leonardi

{jathumbnail off}

Sites do Grupo

logo-contento
logo site

Contate-nos

1396561723 social facebook box blue   1396561730 social twitter box blue   1396561765 youtube

Guia da Farmácia: Revista dirigida aos profissionais de saúde
Rua Leonardo Nunes, 198
Vila Clementino – CEP 04039-010
São Paulo – SP


Telefone (11) 5082-2200
comunicacao@contento.com.br