Receba nossa news

  •  
  •  
Você está aqui: Home 296 - Julho/2017 - Farmacêutico na mira Dor abdominal

296 - Julho/2017 - Farmacêutico na mira

Dor abdominal

dores abdominais 1Entre as causas mais frequentes desse tipo de dor estão os processos inflamatórios as doenças isquêmicas, disfuncionais e neoplasias

Ela pode ser causada por alguma alteração que ocorra em qualquer estrutura dentro do abdome, ou seja, da parte inferior do tórax até a pelve ou também por alteração da parede abdominal.

O Dr. Silva relata que a dor abdominal pode se originar em algum outro local mais distante, como no tórax, na pelve ou na região lombar e ser sentida no abdome, sendo conhecida como dor referida.

“Como exemplo, podemos citar uma pessoa que diga estar com dor de queimação na região do estômago e que evolua com falta de ar, suor frio, dor no peito ou que irradia para os braços, neste caso, o indivíduo pode estar sofrendo um ataque cardíaco ou até mesmo esteja com uma pneumonia severa”, alerta.

Segundo o médico, a incidência anual de dor abdominal crônica é de 15 casos para mil indivíduos. Entre as causas mais frequentes de dor abdominal, estão os processos inflamatórios de origem infecciosa ou química, as doenças isquêmicas, as doenças disfuncionais e as neoplasias (cânceres).

Além da dor de queimação, que surge no estômago e pode ter como causa a gastrite, úlcera e o refluxo, outros tipos de dores abdominais são as cólicas e a pontada ou agulhada. “Nesse caso, causada por excesso de gases ou por inflamações no abdome, como apendicite ou inflamação intestinal. É assim chamada, pois pode aparecer de forma forte e aguda, como se algo estivesse espetando a barriga e, muitas vezes, são muito intensas”, relata o Dr. Silva.

Para o gastroenterologista e membro da Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG), Dr. Eduardo Usuy, as dores abdominais estão entre as principais queixas de pacientes que procuram assistência médica especializada e, em muitos casos, podem ser prevenidas com ações simples e mudanças de hábitos.

“Um dos pontos principais é evitar a automedicação, principalmente, de anti-inflamatórios, uma vez que o uso abusivo destes medicamentos pode resultar em uma gastrite. Além disso, dar preferência a uma alimentação mais natural, incluindo fibras no cardápio, evitando alimentos industrializados, assim como longos períodos sem se alimentar e também comer demais de uma única vez”, orienta.

Para tratar a dor abdominal, os medicamentos são direcionados de acordo com patologias específicas. “Alguns exemplos são analgésicos, anti-inflamatórios, antibióticos, antiácidos, quimioterapia”, diz o Dr. Silva.

 

Ao menos 30% dos indivíduos serão afetados por algum tipo de dor durante a vida. Saiba mais sobre os tipos de dores.

 

Foto: Shutterstock

Sites do Grupo

logo-contento
logo site

Contate-nos

1396561723 social facebook box blue   1396561730 social twitter box blue   1396561765 youtube

Guia da Farmácia: Revista dirigida aos profissionais de saúde
Rua Leonardo Nunes, 198
Vila Clementino – CEP 04039-010
São Paulo – SP


Telefone (11) 5082-2200
comunicacao@contento.com.br