Receba nossa news

  •  
  •  
Você está aqui: Home Exclusivo Saúde Período de chuvas aumenta risco de dengue, diarreia e desidratação

Período de chuvas aumenta risco de dengue, diarreia e desidratação

saude 07033Condições climáticas que favorecem viroses gastrointestinais

As campanhas de saúde pública chamam atenção para um assunto sério: o aumento da incidência de casos de dengue. As viroses gastrointestinais, responsáveis por sintomas como diarreia e vômito, também são diagnósticos frequentes. Em ambos os casos, a desidratação é um mal possível e que precisa de atenção e cuidados para não levar a um estado de enfermidade mais grave, com riscos sérios à saúde.

“A desidratação pode ter níveis diferentes e desencadear diversos sintomas e mal-estar”, explica a farmacêutica formada pela Universidade de São Paulo (USP) e médica especialista em clínica médica com mestrado em saúde coletiva pela Santa Casa de São Paulo, Dra. Karina Kiso. “Quando é leve ou moderada, os sintomas são boca seca, urina escura, sonolência e dor de cabeça. Nos casos mais graves, pode causar irritabilidade, confusão, olhos fundos, pressão baixa e aumento do batimento cardíaco. É perfeitamente possível identificá-los”.

A diarreia, comum em casos de viroses gastrointestinais, é uma ferramenta de defesa do organismo contra vírus, bactérias e parasitas, e tem como efeito a desidratação. Além do desconforto no momento de evacuação, este sintoma torna-se perigoso por diminuir a quantidade de água no corpo, um elemento essencial para que todas as células funcionem normalmente. “Em crianças e idosos, a atenção deve ser redobrada quanto à desidratação. Diarreia, vômito, febre, irritabilidade e confusão são sintomas perigosos. Nesses quadros, sem acompanhamento médico, podem ocorrer perda da consciência, insuficiência renal e até a morte”, explica.

Como tratar a desidratação?
Por mais óbvio que pareça, a ingestão de água é a principal saída para um quadro de desidratação. O líquido ajuda a regular a temperatura corporal e a proteger os órgãos, além de contribuir para a digestão. A melhor saída, segundo a especialista, é incentivar que pacientes bebam mais liquido do que costumam – mesmo que o organismo não demonstre necessidade. Alimentos ricos em água, como melão e pepino, também podem ajudar.

Soluções reidratantes orais são complementações importantes para prevenir a desidratação ou repor a falta de água e eletrólitos, como sódio e potássio, no corpo. A médica orienta que “opções encontradas em forma de soro ou pó são indicadas como prevenção ou para equilibrar os componentes no corpo que perdemos quando desidratamos principalmente nos casos de diarreia e vômito, desde que o paciente consiga receber líquidos via oral”. Essas soluções têm as quantidades de sais e glicose preconizadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e garantem uma hidratação mais adequada.

Fonte: Natulab
Foto: Shutterstock

Veja Também

Sites do Grupo

logo-contento
logo site

Contate-nos

1396561723 social facebook box blue   1396561730 social twitter box blue   1396561765 youtube

Guia da Farmácia: Revista dirigida aos profissionais de saúde
Rua Leonardo Nunes, 198
Vila Clementino – CEP 04039-010
São Paulo – SP


Telefone (11) 5082-2200
comunicacao@contento.com.br