PDV

13 passos para montar um e-commerce para farmácia

A farmacêutica responsável pela FARMUSP, Maria Aparecida Nicoletti, explica de que forma um e-commerce pode ajudar as farmácias à viabilizarem diversas áreas da loja

  1. Assumir que a farmácia é um estabelecimento de saúde e o e-commerce também deve ser uma ferramenta de saúde, para prestação de Assistência Farmacêutica, entendendo por assistência farmacêutica como “o conjunto de ações e de serviços que visem a assegurar a assistência terapêutica integral e a promoção, a proteção e a recuperação da saúde nos estabelecimentos públicos e privados que desempenhem atividades farmacêuticas, tendo o medicamento como insumo essencial e visando ao seu acesso e ao seu uso racional”.
  2. Estar ciente das normas legais de regulam esta atividade e das normas sanitárias junto aos órgãos fiscalizadores municipal, estadual e federal.
  3. Realizar uma pesquisa de campo para saber se a disponibilização do e-commerce será absorvida pela população local, porque e-commerce exige investimentos. (A população do local tem acesso às ferramentas de Tecnologia de Informação? É um local distante? A população usa recursos de tecnologia da informação? Faixa etária predominante? Famílias com crianças pequenas, muitos idosos? Há hospitais na proximidade? Etc.)
  4. Ter em mente o montante disponível do quanto, em dinheiro, está disposto a investir para montar o e-commerce sem comprometimento da loja física. Ler sobre o assunto e aprender a respeito do modelo de negócio e se familiarizar com a área tendo ciência das possíveis facilidades e dificuldades que poderão ocorrer.
  5. O e-commerce traz retorno financeiro se bem estruturado e gerenciado, mas exige a utilização de uma boa ferramenta para que possa dar suporte e operacionalizar a demanda de maneira adequada.
  6. Quais as características da população já atendida na loja física e a ser captada por e-commerce?
  7. Buscar orientação de empresas especializadas na área que façam avaliação e sugiram o que é melhor para o sistema de gestão de negócio.
  8. Consultar qual layout é melhor para aquele cenário: layout responsivo ou mobile?
  9. Escolher a plataforma do e-commerce de qualidade para que a farmácia melhor atenda às metas estabelecidas.
  10. Traçar indicadores para a avaliação da ferramenta utilizada.
  11. Não ter um e-commerce que somente disponibilize a compra de produtos, mas sim, a possibilidade de a farmácia ter um diferencial de Educação em Saúde, para a divulgação de assuntos de interesse à população para a melhoria da qualidade de vida e ao combate da automedicação.
  12. Oferecer um canal de relacionamento direto com os clientes além de possuir recursos humanos capacitados para marketing (o segmento tem legislação própria pelos órgãos reguladores e que deve ser seguida na íntegra); vendas; e gestão do estoque.
  13. Estabelecer calendário de auditorias externas para a avaliação da ferramenta e sua implementação.

Quais as qualificações necessárias para ser um balconista na farmácia? 

Foto e fonte: Farmacêutica responsável pela Farmácia Universitária da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USPMaria Aparecida Nicoletti.

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário