Estudo da Kantar aponta que o e-commerce deve continuar em alta para o consumo de FMCG

Em 2020, o comércio eletrônico foi novamente o canal de crescimento mais rápido, com 45,5% de crescimento - mais do que dobrando sua taxa de crescimento em 2019

 A quinta edição do Winning Omnichannel, estudo anual da Kantar, que acaba de ser lançada, traz uma visão global abrangente de como as dinâmicas do FMCG (bens de consumo massivo) e do varejo se transformaram em 2020, como o e-commerce que deve permanecer em alta.

A análise considerou o comportamento de consumo em 42 países e também constatou que os eventos causados pela pandemia do novo coronavírus mudaram a forma de comprar FMCG. 

Dessa maneira, algumas das tendências vistas nos anos anteriores se aceleraram, outras se inverteram.

No início de 2020, esperava-se uma continuação do crescimento de FMCG perto de 2,5%.

No entanto, o que se viu foi um crescimento quatro vezes maior, para 10%, o que representa US$ 220 bilhões.

Os fatores foram diversos, do movimento de estocagem no primeiro trimestre até a mudança contínua do consumo fora de casa para dentro durante o resto do ano.

Além da falta de interações sociais presenciais.

E-commerce em alta

Os impactos foram, então, sentidos em quase todas as regiões, países, canais, setores e categorias, com taxas de crescimento dobrando ou triplicando.

Antes de 2020, havia duas constantes em cada edição do relatório anual Omnichannel.

Online foi o canal de crescimento mais rápido globalmente e Hipermercados – o maior canal global – foi o mais lento, perdendo participação e relevância. Um deles acelerou e o outro reverteu.

Em 2020, o comércio eletrônico foi novamente o canal de crescimento mais rápido, com 45,5% de crescimento – mais do que dobrando sua taxa de crescimento em 2019.

Isso levou ao seu maior aumento anual em participação em todos os mercados. O canal ganhou + 1,6% de participação e agora vale 6,5% do mercado FMCG global total.

Estabelecimentos

Supermercados e comércio eletrônico, por exemplo, foram responsáveis por mais de 60% do crescimento da FMCG em 2020, com os primeiros revertendo o declínio recente e aumentando 10 vezes mais rápido do que 2019.

Já o e-commerce continuou a tendência de ser o canal de crescimento mais rápido no mundo e ganhou mais 67 milhões de novos compradores somente em 2020.

Os supermercados, por exemplo, cresceram 11,5% e recuperam a participação de 0,5% que haviam perdido no ano anterior para permanecerem como o maior canal globalmente, com 33,3% de participação.

No entanto, essa recuperação não foi vista em todos os lugares, como na Europa.

Apesar de o crescimento ter passado de + 1,1% para + 3,2%, os Hipermercados continuaram a ficar atrás do resto do mercado.

O canal perdeu mais 1,2% de participação, como já havia acontecido em 2018.

Localização das lojas

Na América Latina, entretanto, conseguiu manter a participação devido às lojas muitas vezes serem localizadas dentro das cidades, enquanto em outras regiões tendem a ser fora.

Já a participação do comércio eletrônico é agora de mais de 3% em 15 mercados em todo o mundo, ante 8 mercados em 2019.

A saber, no Brasil a participação do e-commerce ainda é tímida, de 0,3%.

A mudança radical no crescimento deveu-se aos ganhos de penetração, que passaram de 26,3% em 2018 para 29,4% em 2019 e 34,4% em 2020.

Assim, mais 5% dos lares globais compraram pelo menos uma vez online em 2020 – o que representa, então, um adicional de 67 milhões.

O aumento da penetração online não ocorreu apenas em mercados onde a saturação é baixa, mas também em mercados avançados.

A China continental teve a maior penetração online para FMCG globalmente, com 87,5%, um aumento de 9 pontos de penetração.

E ainda há espaço para mais compradores de mercados avançados como os EUA.

Onde a penetração acabou de cruzar o limite de 50%, e para a maioria dos mercados latino-americanos, onde permanece abaixo de 20%.

Essa mudança é também no perfil de quem usa a Internet para suas compras.

Costumava ser um canal predominantemente para famílias com falta de tempo que exigiam grandes compras semanais, mas agora é um canal para todos.

Apesar da democratização, ainda há uma forte inclinação para a popularidade nas grandes cidades, de Xangai, onde a participação online é de 32,1% (versus 25% do mercado total).

E São Paulo, onde é de 1,1% (versus 0,5%).

Dessa maneira, esse índice excessivo acontece em todas as cidades, com exceção de Paris, onde a participação, por exemplo, é de 6% (versus 8,3%).

Destaque no Brasil com o WhatsApp

Embora o comércio eletrônico permaneça, então, relativamente pequeno no Brasil.

Com 2 milhões de compradores a mais no segundo semestre do ano de 2020 em comparação com o primeiro semestre, criando mais 18 milhões de novas ocasiões de compra.

Então, essa duplicação da penetração no Brasil se deve em parte aos aplicativos de mensagens, como o WhatsApp, com quase 40% dos compradores online o utilizando para compras de FMCG.

A acessibilidade criada por aplicativos de mensagens democratiza o acesso às compras online no Brasil de várias maneiras.

O WhatsApp permitiu que varejistas comerciais menores e tradicionais tenham, então, uma presença online.

Isso deu aos consumidores uma rota para fazer compras online.

Visto que a posse de smartphones é, então, maior do que a de computadores pessoais.

Ele também oferece às residências fora das áreas metropolitanas uma opção de comércio eletrônico.

O WhatsApp não está apenas acelerando o crescimento do comércio eletrônico no Brasil.

Está fazendo isso na maior parte da região da América Latina, onde é o principal aplicativo de comunicação para muitos e permanece, então,  gratuito para uso fora do contrato.

Brasileiros usam cada vez mais o celular para compras e pagamentos

Fonte: Kantar

Foto: Shutterstock

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário