HPC

7 mitos e verdades sobre a proteção solar

Dermatologista desmistifica mitos e verdades sobre as principais questões que envolvem a proteção solar, para uma maior eficácia na hora de proteger a pele

Hoje em dia todo mundo sabe sobre os danos que a radiação solar pode causar em nossa pele e a importância da fotoproteção para preveni-los. Além disso, as formas de fotoproteção têm se tornado mais amplas, sendo possível encontrar fotoprotetor em pó, spray, bastão, creme, gel, entre outras formulações. Por isso, é preciso esclarecer mitos e verdades sobre a proteção solar.

Porém, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o assunto. Para se ter uma ideia, de acordo com dados da Campanha Nacional do Câncer da Pele da SBD realizada em dezembro de 2019, mais de 60% dos brasileiros não usam nenhum tipo de proteção no dia a dia.

Para ajudar a mudar este quadro, o Dr. Daniel Cassiano, dermatologista da Clínica GRU Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, apontou os principais mitos e verdades relacionados à fotoproteção. Confira:

1. Não precisa usar protetor solar em dias nublados. 

Mito. É claro que os níveis de radiação solar são geralmente maiores quando não há presença de nuvens, que tendem a atenuar a quantidade de radiação na superfície terrestre. No entanto, mesmo com a presença de nuvens, os níveis de radiação UV podem variar bastante.

Por exemplo, enquanto nuvens escuras são capazes de impedir quase totalmente os fluxos de radiação, nuvens menos espessas e mais claras promovem apenas uma atenuação parcial.

Existem situações específicas ainda, como a presença de nuvens cumulus ou cirrus, que podem, certamente, intensificar a radiação solar, tornando os níveis superiores àqueles observados em dias de céu limpo.

Devido a essa grande variabilidade, não é possível fornecer um parâmetro ou um percentual de atenuação da radiação UV pela nebulosidade, o que torna o uso do fotoprotetor indispensável mesmo em dias nublados.

2. O protetor solar causa acne

Mito. Atualmente existem no mercado produtos com veículos não comedogênicos, ou seja, que não provocam acne.

O ideal então é que pacientes com a pele oleosa optem por protetores solares em gel ou gel-creme que sejam formulados com substâncias que ajudem a absorver a oleosidade durante o dia, como a sílica.

É possível até mesmo encontrar produtos que contêm substâncias anti-inflamatórias, como o gluconato de zinco, que auxiliam no tratamento da acne.

3. É preciso esperar que o protetor comece a agir antes de se expor ao sol

 Verdade. A aplicação inicial do fotoprotetor deve ser estratégica para garantir o sucesso da fotoproteção. Estudos para determinação de FPS e PPD-UVA mostraram que é necessário um intervalo de, no mínimo, 15 minutos entre a aplicação do produto e o início da exposição para que a fotoproteção seja eficaz.

Mas já existem protetores solares que demonstram sua efetividade logo após a aplicação, sem que seja necessário o intervalo de 15 minutos. Por isso, o ideal é pedir uma recomendação do dermatologista sobre a melhor maneira de utilizar cada produto”.

Outro aspecto importante na hora de aplicar o fotoprotetor é a uniformidade da aplicação, evitando, dessa maneira, que algumas áreas sejam esquecidas ou que haja aplicação insuficiente do produto.

Por esses fatores, recomenda-se, portanto, que o fotoprotetor seja aplicado, de preferência, antes do início da exposição ao sol e, no caso do corpo, com a menor quantidade possível de roupas.

4. Reaplicar o protetor solar após contato com a água é fundamental. 

Verdade. Os protetores solares passam por testes de resistência à água para avaliar se são capazes de manter a eficácia mesmo após longos períodos de imersão.

Essa avaliação é especialmente importante para produtos destinados à exposição intencional ao sol, como por exemplo, na realização de atividades aquáticas e práticas esportivas.

Mas, mesmo que o protetor solar seja resistente à água, solicitamos que o paciente sempre reaplique o produto após se molhar para realmente garantir sua eficácia.

5. O filtro solar com cor protege mais a pele do que a versão tradicional

 Verdade. Isso porque a tonalidade do filtro solar é proporcionada pela presença de óxido de ferro na composição, substância capaz de absorver a radiação visível do sol.

Hoje, sabemos que a luz visível tem uma participação importante no processo de pigmentação da pele, favorecendo o desencadeamento de dermatoses pigmentárias, como melasma e hipercromia pós-inflamatória.

6. Usar maquiagem com fator de proteção solar dispensa o uso do filtro

Mito. Geralmente, o FPS das maquiagens é muito baixo, sendo insuficiente para proteger a pele. Então, para quem usa maquiagem, o ideal é, então, optar por um protetor solar com cor de alta cobertura, que, além de ser eficaz na proteção, também atua como base.

7. Apenas pessoas de pele clara precisam utilizar protetor solar

 Mito. Todos devem realizar a fotoproteção diariamente. A diferença é que, dependendo do tom da pele, a proteção precisa ser maior ou menor, mas sempre deve existir.

Contudo, no geral, pessoas de fototipo 1 (Pele clara + sardas) ou Fototipo 2 (Pele clara + cabelo loiro) precisam de uma megaproteção (FPS 50+). É indicada uma superproteção (FPS 30 ou 50) no caso de fototipo 3 (Pele clara + cabelos castanhos) ou fototipo 4 (Pele morena + cabelos castanhos). Por fim, fototipo 5 (Pele morena mais escura) ou Fototipo 6 (Pele negra) precisam de uma proteção eficiente (FPS 30).

Como escolher o filtro solar de acordo com o tipo de pele 

Fonte: Dr. Daniel Cassiano.

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário