A.C.Camargo e Aché firmam parceria para medicamentos contra o câncer

Colaboração prevê avanços no tratamento da doença

O A.C.Camargo Cancer Center e o Aché Laboratórios Farmacêuticos firmaram colaboração para desenvolvimento de novos medicamentos contra o câncer. O acordo enfoca a identificação de “quinases”, enzimas responsáveis pela divisão celular possivelmente relacionadas à origem do câncer, e sua validação como alvos terapêuticos em diferentes tumores. A colaboração prevê também o desenvolvimento de inibidores destes alvos e avanços dos tratamentos para a doença. O projeto conta, ainda, com a participação do Consórcio de Genômica Estrutural da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A proposta é estudar o papel dessa classe de enzimas no contexto tumoral e, com o conhecimento adquirido, desenvolver novos medicamentos contra o câncer.

“A colaboração entre A.C.Camargo e Aché aproxima instituições com capacidades sinérgicas para o desenvolvimento de novos medicamentos contra o câncer, e reforça o posicionamento do Brasil internacionalmente na translação da pesquisa básica em soluções terapêuticas inovadoras para a prática da oncologia”, ressalta o diretor de Inovação e Novos Negócios do Aché Laboratórios, Stephani Saverio.

O A.C.Camargo possui experiência na prática clínica e em pesquisas sobre os mecanismos envolvidos no surgimento e progressão dos tumores. “Já o Aché irá aportar na colaboração sua expertise no design e síntese de novas moléculas na fase de descoberta, assim como nas etapas de desenvolvimento de um candidato a fármaco”, afirma o diretor de Inovação Radical do Aché, Cristiano Guimarães.

Colaboração promissora contra o câncer

Estudos apontam que menos de 10% das quinases em nosso genoma foram amplamente estudadas e utilizadas como alvos para diferentes terapias, principalmente em oncologia. No entanto, estas enzimas são reconhecidamente uma importante classe de alvos terapêuticos. Portanto, a colaboração é extremamente promissora na descoberta de novos alvos terapêuticos e no desenvolvimento de terapias inovadoras para cânceres ainda sem tratamento.

Atualmente, mais de 25 inibidores de quinases foram testados em estudos clínicos e chegaram ao mercado, sendo utilizados no tratamento de diferentes tipos de câncer, tais como tumores de rim, pulmão, cabeça e pescoço, sarcomas e alguns tumores hematológicos. “Nossa ideia é estudar as quinases cujas atividades e funções tenham sido pouco exploradas. Acreditamos que elas possam ter atuação relevante no processo tumoral”, explica a cientista e Superintendente de Pesquisa do A.C.Camargo Cancer Center, Vilma Regina Martins.

Fonte: Guia da Farmácia

Foto: divulgação Aché

Walgreens e Microsoft firmam parceria para tratamentos de saúde

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário