Qual a importância da farmacovigilância para a saúde da população?

Farmacovigilância é um conjunto de procedimentos relacionados à detecção, avaliação, compreensão e prevenção de reações adversas a medicamentos ou problemas relacionados a fármacos

Cabem aos Sistemas Nacionais de Farmacovigilância (SINAF), ao realizar a gestão do risco sanitário, identificarem, avaliarem e atuarem na sua minimização, contribuindo, assim, para o uso adequado dos medicamentos, a segurança do paciente e a melhor qualidade na prestação do cuidado em saúde. 

De acordo com o Centro de Vigilância do Estado de São Paulo, a Farmacovigilância pode ser definida como “um conjunto de procedimentos relacionados à detecção, avaliação, compreensão e prevenção de reações adversas a medicamentos ou quaisquer outros possíveis problemas relacionados a fármacos”.

Tem como objetivo principal a redução das taxas de morbidade e mortalidade associada ao uso de medicamentos, através da detecção precoce de problemas de segurança desses produtos para os pacientes, além de melhorar a seleção e o uso racional dos medicamentos pelos profissionais de saúde.

A principal ferramenta da farmacovigilância é a notificação espontânea por parte dos profissionais de saúde, de toda suspeita de reação adversa causada por medicamento ou mesmo de outros problemas relacionados a medicamentos como desvios de qualidade, perda de eficácia, abuso, intoxicação, uso indevido ou mesmo erros de administração.

O conjunto de notificações recebidas vai permitir a identificação precoce:

  • De reações adversas desconhecidas até o momento.
  • Do aumento de frequência de reações adversas conhecidas.
  • De fatores de risco e possíveis mecanismos subjacentes às reações adversas, além da avaliação e da comunicação dos riscos e benefícios dos medicamentos disponíveis comercialmente.
  • Da disseminação de informações necessárias ao aprimoramento da prescrição e regulação dos medicamentos conforme preconizada pela política do Uso Racional de Medicamentos, ou seja, que seu uso seja racional, seguro e que os produtos disponibilizados tenham qualidade.

Obrigações do farmacêutico na farmacovigilância

É importante salientar que para as farmácias e drogarias, com base na Lei nº 13.021/14, obriga-se o farmacêutico, no exercício de suas atividades, a notificar os profissionais de saúde e os órgãos sanitários competentes, bem como o laboratório industrial, dos efeitos colaterais; reações adversas; intoxicações, voluntárias ou não e farmacodependência observados e registrados durante o desempenho de suas atividades.

Além disso, é possível promover ações de proteção à saúde pública por meio da regulação dos medicamentos comercializados no País. As notificações realizadas servem na identificação de reações adversas ou efeitos não-desejados dos medicamentos, aperfeiçoar o conhecimento sobre os efeitos e, quando indicado, alterar recomendações sobre seu uso e cuidados por parte dos órgãos competentes.

Exemplos de notificações de eventos adversos que podem ser feitas no Notivisa:

  • Incidente / evento adverso durante procedimento cirúrgico.
  • Queda do paciente.
  • Úlcera por pressão (feridas na pele provocadas pelo tempo prolongado sentado ou deitado).
  • Reação adversa ao uso de medicamentos.
  • Inefetividade terapêutica de algum medicamento.
  • Erros de medicação que causaram ou não danos à saúde do paciente (por exemplo, troca de medicamentos no momento da administração).
  • Evento adverso decorrente do uso de artigo médico-hospitalar ou equipamento médico-hospitalar.
  • Reação transfusional decorrente de uma transfusão sanguínea.
  • Evento adverso decorrente do uso de um produto cosmético.
  • Evento adverso decorrente do uso de um produto saneante.

Exemplos de notificações de queixas técnicas que podem ser feitas no Notivisa:

  • Produto (todos listados acima, exceto sangue e componentes) com suspeita de desvio da qualidade.
  • Produto com suspeita de estar sem registro.
  • Suspeita de produto falsificado.
  • Suspeita de empresa sem autorização de funcionamento (AFE).

As notificações no Notivisa podem ser feitas por:

  • Profissionais de serviços de saúde (Núcleos de Segurança do Paciente, Hospitais, Clínicas, Hemocentros, Laboratórios, CIAT’s, dentre outros).
  • Profissionais/técnicos da Anvisa, das Vigilâncias Sanitárias Estaduais e Municipais, das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde.
  • Profissionais de Laboratórios de Saúde Pública, Universidades/Centros de pesquisa.
  • Profissionais que atuam em drogarias e farmácias.
  • Profissionais das empresas detentoras de registro de produtos sob vigilância sanitária (fabricantes, importadores e distribuidores).
  • Profissionais de saúde liberais.
  • Cidadãos – pacientes, familiares, acompanhantes, cuidadores e outros.

Nem toda notificação gera uma medida sanitária imediata, seja ela regulatória ou não. Muitas vezes é necessário um conjunto de notificações para que as informações geradas sejam consistentes a ponto de desencadear ações pelas entidades envolvidas no processo de farmacovigilância. Por isso, é importante notificar sempre que houver suspeita de evento adverso ou queixa técnica.

Portanto, notifique! Toda contribuição é valiosa para a saúde da população! Além disso, é possível promover ações de proteção à saúde pública por meio da regulação dos medicamentos comercializados no País.

O que é o uso off label de medicamentos?

Fonte: Farmacêutica responsável pela Farmácia Universitária da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, Maria Aparecida Nicoletti, com exclusividade para o portal Guia da Farmácia.

Foto: Maria Aparecida Nicoletti.

Não se automedique, consulte um profissional de saúde.

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário