A terceira idade e os cuidados na pandemia

O público da terceira idade precisa de cuidados redobrados desde que a pandemia pela Covid-19 foi anunciada. Mas medidas de prevenção, aliadas ao uso de suplementos, podem manter o sistema imunológico em dia

A pandemia ocasionada pelo novo coronavírus, que atinge o mundo todo e o Brasil, especificamente, desde meados de março último, está afetando diretamente a vida da população na terceira idade que, hoje, representa o grupo de risco mais impactado, pedindo, assim, cuidados redobrados.

Segundo dados acumulados do Ministério da Saúde (MS), até o mês de junho de 2020, pessoas com 60 anos de idade ou mais são os mais afetados pela pandemia e somam 69,4% dos mortos.

O envelhecimento ocorre em todos os órgãos e tecidos e não é diferente para o sistema imunológico. Esse fenômeno, conhecido como imunossenescência, nada mais é que um fator natural e esperado do envelhecimento, tornando o organismo menos apto a enfrentar diversas doenças.

Além do envelhecimento do sistema imunológico, outros órgãos vitais, como pulmões, rins e coração, também envelhecem e diminuem suas capacidades vitais ao longo da vida.

“Ainda que em condições consideradas normais no processo de envelhecimento, em situações de doença aguda como infecções (no caso a Covid-19), estes órgãos envelhecidos podem não suportar sobrecargas funcionais”, explica a gerente médica da EMS, Monalisa Fernanda Bocchi de Oliveira.

Além do envelhecimento dos órgãos como um todo, doenças como hipertensão, diabetes, problemas cardíacos e pulmonares são prevalentes entre os idosos e também configuram fatores de risco para agravos em pessoas infectadas pelo coronavírus. A especialista diz que, desta forma, pessoas acima dos 60 anos de idade e que apresentem outras doenças ou hábitos como tabagismo são consideradas de alto risco para complicações e morte por Covid-19.

O diretor de Pesquisa e Desenvolvimento de Assuntos Regulatórios da Natulab, Olavo Rodrigues, comenta que o principal problema da forma grave da Covid-19 é o que se chama de tempestade imunológica. Ele se dá quando o sistema imunológico desencadeia um severo processo inflamatório que, no indivíduo idoso, ataca as células sadias, principalmente dos pulmões, ocasionando uma pneumonia severa.

“Em muitos casos, a reação do sistema imunológico é insuficiente para acabar com a doença. Outras vezes, a resposta é exagerada, prejudicando o organismo e mesmo as células sadias podem ser atacadas nesse processo, gerando lesões, que é o acaba ocorrendo na infecção pelo SARS-COV2”, esclarece.

 Prevenção indispensável

Todas as pessoas, independentemente da faixa etária, são responsáveis pela prevenção da transmissão do novo coronavírus. Isto porque, mesmo que uma pessoa jovem e saudável possa ser contaminada e não adoecer (assintomático) ou ter sintomas leves, ela pode ser responsável por transmitir a doença a outros indivíduos que terão graves consequências com a infecção.

Aos idosos em especial, cabe manter as vacinas em dia; não interromper o acompanhamento médico relativo às doenças preexistentes, como hipertensão, colesterol, diabetes, etc.; seguir com as medicações de uso contínuo e exames de rotina; manter alimentação saudável, hidratação e atividade física regular; e evitar o contato social presencial (especialmente aglomerações). Quando não for possível o isolamento físico, utilizar máscaras de proteção e medidas de higiene das mãos com sabão e álcool em gel frequentemente”, ensina Monalisa.

Além disso, ao receber compras ou quaisquer objetos e produtos vindos de fora de seu domicílio, realizar higienização adequada antes de consumir ou de incorporar à casa.

Se perceber quaisquer sintomas, como dor de garganta, coriza, tosse, febre, espirros, dor no corpo, mal-estar geral, perda de peso ou de apetite, falta de ar, deve buscar atendimento médico”, acrescenta a especialista da EMS.

O Head de Medical Affairs da divisão Consumer Health da Bayer, Dr. Maurício Souza, faz um alerta. “É importante deixar claro que não existe qualquer tratamento que previna a Covid-19. O melhor meio para se prevenir é adotar o isolamento social, mantendo as medidas de higiene e de saudabilidade do organismo. Já o vírus da gripe, por exemplo, pode ser prevenido com a vacinação anual.”

Suplementos vitamínicos são aliados

Para que os idosos mantenham uma boa saúde, é fundamental que se atentem à alimentação saudável, hidratação frequente; que evitem fumar e consumir bebidas alcoólicas em excesso; que mantenham atividade física, bem como façam acompanhamento médico regular.

Além desses cuidados, o uso de suplementos vitamínicos se faz fundamental para manter o sistema imunológico protegido.

Rodrigues, da Natulab, diz que a vitamina D, por exemplo, ganha ainda mais peso neste momento de pandemia pela forte ligação com a imunidade e proteção contra infecções respiratórias.

“Sem contar que o isolamento social compromete a exposição ao sol e, por consequência, a capacidade do próprio organismo em produzir essa importante vitamina”, lembra.

Outro nutriente de destaque é a vitamina C, que pode reduzir a suscetibilidade do organismo às infecções do trato respiratório inferior em alguns casos, assim como exercer funções fisiológicas para diminuir os sintomas gripais.

“Além das vitaminas citadas, os minerais zinco, oligoelemento essencial determinante para manutenção da função imune inata e adaptativa; e o selênio que, com ação antioxidante, equilibra a resposta imunológica e reduz a replicação viral que se amplifica em ambiente de estresse oxidativo, também podem ser administrados”, complementa Rodrigues.

O Dr. Souza, da Bayer, conta que as mudanças físicas e de hábitos alimentares que ocorrem com o envelhecimento também podem prejudicar a aquisição de diversos desses micronutrientes.

“A redução natural do apetite e de outras funções que nos ajudam a saborear uma boa refeição, como as alterações da visão, da gustação e do olfato; as alterações do trato digestório que vão desde a perda dos dentes até redução da absorção dos alimentos; e o uso de certos medicamentos para condições de saúde que comumente começam a aparecer nessa faixa etária também podem ser razão para, via final, não se ter um aporte adequado de vitaminas e micronutrientes essenciais. Diante disso, a utilização de suplementos alimentares é muito bem-vinda”, justifica.

Ele cita ainda a importância da vitamina B6 e B12, cujas necessidades podem estar aumentadas com o envelhecimento; e a vitamina E, que atua nas funções cardíacas e do sistema nervoso.

 Cuidados com a saúde mental

Até a população contar com uma vacina que imunize contra a Covid-19, é natural que o confinamento social continue, especialmente entre o público da terceira idade, que se constitui como grande grupo de risco. Assim, é fundamental estar atento, não só com a saúde física, como também com a saúde mental.

O que pode acontecer?

 As reações emocionais diante de uma situação de “ameaça ou perigo” trazem uma sensação de desconforto, medo, insegurança, estresse e pânico generalizado. A intensidade dessas emoções afeta negativamente a vida pessoal, familiar e social.

Como o quadro se intensifica na terceira idade?

  • Os idosos têm sido acometidos pelo sentimento de solidão, e isto é capaz de gerar uma reação de luta e fuga interna, gerando maior quadro de estresse, deixando-os mais irritados e temerosos.
  • Os quadros de sofrimento emocional aumentaram, pois o mundo entrou em luto de forma geral. Há, ainda, as ameaças de contaminação e mortes divulgadas, além das perdas de familiares e amigos, perda de emprego, mudança de rotina e a incerteza do amanhã.

Maiores queixas desse público

  • Medos da contaminação e da morte.
  • Angústia e ansiedade pelo confinamento social.
  • Impossibilidade de fazer atividades com liberdade, se encontrar com os filhos e netos para abraçá-los e estar juntos dos amigos.

Formas de manter o equilíbrio psicológico

  • Evitar o pessimismo no dia a dia, selecionando as notícias que acompanham nas redes sociais e na televisão.
  • Criar um momento de autocuidado, tirando um tempo para hidratar o cabelo, fazer as unhas, fazer uma limpeza de pele.
  • Fazer aquilo de que realmente gosta, reservando um tempo para assistir a uma série ou filme que não nunca teve tempo, ler um livro que ficou guardado, fazer algum curso on-line.
  • Preparar refeições.
  • Conectar-se com as pessoas, convidando amigos e familiares para um encontro virtual, para papear e matar as saudades.
  • Brincar em família.
  • Participar de encontros, cultos ou missas on-line.
  • Reorganizar algumas tarefas da casa.

Fonte: psicóloga clínica com formação pela Universidade Padre Anchieta, Vanessa Menegace

Fonte: Guia da Farmácia

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário