PDV

Adesão ao tratamento medicamentoso: como ajudar seus pacientes na farmácia

A não adesão é um problema mundial. Entende-se por adesão terapêutica o quanto o paciente compreende, concorda e participa do seu tratamento

Você sabia que até 50% dos pacientes não mantém boa adesão ao tratamento medicamentoso após 6 meses do início do tratamento?

Que em pessoas com mais de 40 anos, usando medicamentos contínuos, a taxa de não adesão aos medicamentos é de 63%? Que 1 em cada 3 idosos usa 5 ou mais medicamentos e 82% têm problemas de adesão?

A saber, a não adesão dos pacientes ao tratamento medicamentoso é considerada um problema mundial.

Entre as causas comuns de não adesão ao tratamento medicamentoso estão:

A descontinuidade de acesso, a falta de acompanhamento profissional e também de ter que usar medicamentos muitas vezes ao dia.

De fato, gerenciar os horários e a tomada de vários medicamentos ao dia é um desafio para qualquer pessoa.

“Entende-se por adesão terapêutica o quanto há de concordância entre o comportamento do paciente na utilização de medicamentos ou seguimento de medidas não farmacológicas, e aquelas recomendações feitas pelos profissionais da saúde. A adesão terapêutica é mais do que apenas tomar os comprimidos. Trata-se, afinal, do quanto o paciente compreende, concorda e participa do seu tratamento“, explica o farmacêutico Cassiano Correr.

8 passos de como aumentar a adesão ao tratamento medicamentoso do seu paciente na farmácia

1. Redução do custo do tratamento

Necessário no caso de não adesão primária ou dificuldade de acesso.

Opções incluem programas de descontos, substituição por genéricos ou encaminhamento ao médico com pedido de troca da medicação por opção terapêutica de menor custo.

2. Educação do paciente sobre o tratamento

Útil para casos de baixa adesão não intencional, por falha na orientação do paciente. Alguns pacientes não cumprem o tratamento adequadamente porque não entenderam o que devem fazer ou qual sua importância.

3. Orientação sobre rotina de medicação

Útil para pacientes que se esquecem ou gerenciam múltiplos medicamentos.

Criar uma rotina, deixando os medicamentos à vista no lugar certo, na hora certa, podem ajudar na adesão. Reduzir o número de tomadas ao dia para, no máximo, 3 vezes ao dia, agrupando medicamentos e comprimidos nos mesmos horários.

4. Organizadores de comprimidos

Útil para quem toma 5 ou mais medicamentos. Tirar os comprimidos da embalagem original e fracionar em organizadores.

5. Uso de lembretes sonoros no celular

Útil como lembretes da hora de tomar o medicamento. Há diversos aplicativos gratuitos para celular. Pode-se usar também a próprio calendário do celular para criar alertas sonoros.

6. Envio de alertas pela farmácia

A farmácia pode disparar alertas de SMS ou pelo celular lembrando de medicação que está acabando. No entanto, depende de sistema informatizado onde o tratamento e as dispensações estejam registradas.

7. Dispensação programada

Útil para criar uma rotina de dispensação mensal. Agenda-se o paciente para um dia específico do mês, trazendo os medicamentos que tem em casa para reposição.

Durante a dispensação, o farmacêutico pode, então, verificar comprimidos faltando ou sobrando, avaliar a adesão e repor o tratamento conforme necessidade, até o próximo mês.

8. Calendário posológico impresso 

Útil como lembrete visual que lista todos os medicamentos e horários de tomada, particularmente a pessoas com dificuldade de leitura. Deve-se, portanto, buscar minimizar o número de tomadas ao dia.

Pesquisa Ibope: 58% dos brasileiros não sabem a diferença entre medicamento genérico, referência e similar 

Fonte: Clinicarx

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário