Analgésicos são os medicamentos mais vendidos durante a pandemia

Levantamento do Farmácias APP mostra os medicamentos mais vendidos de fevereiro de 2020 a fevereiro de 2021

Com a chegada da pandemia no Brasil, os brasileiros, além de prevenir o contágio da Covid-19, também redobraram os cuidados com outras doenças.

De acordo com a Farmácias APP, aplicativo de venda online de saúde e beleza, os analgésicos e antitérmicos foram os mais comprados durante a pandemia, com 6,5% das vendas total de medicamentos.

Na mesma linha, os anti-inflamatórios estão na segunda colocação com 4,7% das vendas.

Em seguida, medicamentos para doenças cardiovasculares (como pressão alta), já os contraceptivos hormonais aparecem com 4,3% e 3,6% da totalidade.

Por fim, completa o top 5 os remédios para congestão nasal somando 2,8%.

Dessa maneira, analisando por faturamento, os antidepressivos foram os que mais geraram receita.

Sendo, portanto, responsáveis por 5% do total de medicamentos, apesar de ser apenas o 11º em quantidade.

Com maior volume de vendas, os analgésicos e antitérmicos foram a segunda classe que mais faturou com 4,2% da totalidade. Completando, medicamentos para colesterol e triglicérides registraram 3,8% do faturamento total.

“Os números mostram que os brasileiros buscaram mais os medicamentos que tratam doenças do cotidiano, como a dores e inflamações. Na contramão dos remédios mais comuns na rotina, medicamentos que combatem vermes e parasitas cresceram 147% nos dois primeiros meses de 2021, comparado ao mesmo bimestre do ano anterior”, afirma a coordenadora de marketing do Farmácias APP, Renata Morais.

O estudo leva em conta o período entre fevereiro de 2020 a fevereiro de 2021 e contempla todo o varejo farmacêutico, tanto físico quanto digital.

Consumo de analgésicos e vitaminas cresce durante a pandemia 

Fonte: Farmácias APP

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário