PDV

Anote seis tendências de varejo na América Latina

Entre os destaques estão mix de formatos, e-commerce e interesse por produtos mais saudáveis

Para ajudar a traçar o caminho do varejo nos próximo anos, a Nielsen – empresa especializada em estudar o comportamento de consumidores – compilou as tendências mais importantes do universo varejista na região latino-americana. As expectativas mais relevantes foram divididas em seis blocos:

1. Shopper Marketing: é vital entender o shopper e compreender que todos são diferentes. Hoje em dia, é preciso considerar a geração a qual pertencem os shoppers para definir as diferentes estratégias. A geração com maior crescimento é a dos Boomers (50-64 anos), mas são os Millennials (Geração Y) que detém o maior poder econômico e que ditam as regras em termos de consumo global. Estima-se que, no ano de 2018, representarão a metade do consumo global e, até 2025, já sejam 75% da força mundial.

2. Fidelização do Shopper: os programas de fidelidade ganharam força aos poucos e, hoje, tornaram-se um aspecto crucial no momento de ganhar um shopper. Mais de 80% dos shoppers latinoamericanos asseguram que, provavelmente, escolheriam um varejista que lhes oferecesse um programa de fidelidade. Entretanto, quando falamos da América Latina, apenas 46% dos varejistas oferecem algum programa deste para seus clientes.

Captura de Tela 2016 02 15 as 15.59.07

3. Mix de Formatos: na América Latina, o mix de formatos se evidencia em todos os países da região. Porém, as estruturas mudam e há pontos fortes e diferenciais interessantes, mas todos influenciados pela conveniência e comodidade

Captura de Tela 2016 02 15 as 15.59.18

4. E-commerce: o comércio eletrônico cresce mundialmente a uma taxa de 23%. O mercado que mais ascendeu no e-commerce, no último ano, foi a Ásia – Pacífico, seguida pela América Latina, que cresce a taxas de 21,5%, sendo o Brasil o país que mais impulsiona o crescimento.

Entre os compradores globais, 9% usam cupons virtuais e baixam os aplicativos dos varejistas para receberem informações e/ou promoções. Na América Latina, a média é de 10%, mas com possibilidades de crescer até 64%, de acordo com o Estudo Global de e-commerce da Nielsen.

5. Marcas Próprias: o desenvolvimento das marcas próprias nos países desenvolvidos é bastante alto e está focado, essencialmente, em um portfólio amplo de produtos e diversas faixas de preços. A marca própria representa, em nível global, 16,5% das vendas, de acordo com o Reporte Global Nielsen.

Na América Latina, a líder em vendas é a Colômbia, com 15%, embora se tenha constatado crescimento em todos os países medidos pela Nielsen neste estudo, inclusive o Brasil. A economia continua a ser o principal fator na escolha de uma marca própria, especialmente quando as famílias buscam reduzir seus custos (44% tem esta preferência).

6. Saudáveis: 51% dos entrevistados no Estudo Nielsen sobre Saúde e Bem-Estar consideram que estão acima do peso e 70% dos mesmos estão realizando algum tipo de dieta ou exercício físico para diminuí-lo. Esta é uma das razões pela qual a cesta de Saudáveis, ou Alimentos e Bebidas que têm benefícios funcionais ou representam um consumo mais light, cresce cada dia mais regionalmente.

Foto: Shutterstock

 
Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário