CFF e CRF-SP condenam venda de antibióticos sem prescrição

Resposta das entidades se refere ao projeto de lei nº 545/2018

O Conselho Federal de Farmácia (CFF), por meio de suas assessoria e comissão parlamentares, acompanhou, em dezembro, a apresentação do projeto de lei nº 545/2018, pelo senador Guaracy Silveira (PSL-TO), suplente da senadora Kátia Abreu (PDT-TO), que propõe a venda de antibióticos sem prescrição médica.

O CFF aguarda o início das atividades no Congresso Nacional para se reunir com o autor do projeto e demais senadores, e mostrar que o uso de medicamentos em geral, e não apenas de antibióticos, é muito mais complexo do que o suplente de senador demonstrou acreditar em seu discurso, por ocasião da apresentação do projeto.

O Conselho afirma que compreende “a angústia do senador quanto à situação da população sem acesso à assistência que lhe permita fazer o uso correto e seguro de medicamentos, mas a saúde é um direito constitucional e a obrigatoriedade da presença do farmacêutico nas farmácias durante todo o tempo de funcionamento desses estabelecimentos faz parte desse direito, por determinação legal”.

O CFF reforçou que o uso indiscriminado e inadequado de medicamentos é uma preocupação mundial. Segundo relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no ano passado, 500 mil pessoas de 22 países de baixa e alta renda estavam sob suspeita de infecção por bactérias resistentes a antibióticos.

CRF-SP também repudia a venda de antibióticos sem prescrição

O Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP) também repudiou o novo projeto de lei. De acordo com a entidade, o senador não observou a melhor técnica legislativa na elaboração do projeto, justificando-o, simplesmente, como um apelo populista. “A proposta do senador é um verdadeiro retrocesso social que ocasionará a resolução da diretoria colegiada a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), número 20/2011, que determina a exigência de prescrição médica para a comercialização de antimicrobianos”.

Para o CRF-SP, as justificativas do projeto de lei são ofensivas aos profissionais farmacêuticos ao afirmar que “no momento em que está fragilizado, que é na hora da doença, o cidadão brasileiro tem que, sozinho, enfrentar dois poderosos corporativismos classistas: o dos farmacêuticos, que garantem sua reserva de mercado pela lei que obriga todas as farmácias do Brasil a empregarem, ao menos, um profissional”. Para o Conselho, essa justificativa é um desrespeito ao direito à assistência farmacêutica conquistado pelos cidadãos brasileiros por meio da Lei 13.021/2014. A entidade reitera que os farmacêuticos são essenciais para a melhora da saúde e da qualidade de vida da população e, acima de tudo, cidadãos brasileiros que possuem a mesma aspiração de um País mais justo e com saúde para todos.

Fonte: Guia da Farmácia

Foto: Shutterstock

Projeto visa liberar venda de antibióticos sem prescrição médica

 

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário