Anvisa aprova novo medicamento para DPOC

Fármaco para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica é da Boehringer Ingelheim

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, no dia 13 de maio, o medicamento Spiolto® (brometo de tiotrópio + olodaterol) para tratamento de pacientes com Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) moderada, grave e muito grave, incluindo bronquite crônica e enfisema pulmonar. O objetivo do fármaco é o de reduzir a obstrução do fluxo de ar, melhorar a qualidade de vida, reduzir a dispneia associada e melhorar a tolerância ao exercício.

Existem alguns tipos de medicação inalatória para o tratamento da DPOC, como antagonistas muscarínicos de longa duração (LAMA), beta-agonistas de longa duração (LABA) e corticoides inalatórios (ICS). Geralmente, a DPOC moderada costuma ser controlada com uma combinação de dois tipos de medicamento. Pensando nesses pacientes, a Boehringer Ingelheim desenvolveu o Spiolto®, que combina compostos de dois tipos, LABA e LAMAii-v. A dupla broncodilatação é central para tratamento de pacientes sintomáticos, com dispneia, segundo tanto as diretrizes globais de tratamento GOLD (Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease), quanto as recomendações para o tratamento da DPOC pela Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT).

Segundo a Boehringer, Spiolto® representa uma facilidade na vida desses pacientes, já que os dois compostos estão reunidos em uma única apresentação. Aprovado para o tratamento de adultos com DPOC nos Estados Unidos, Japão, Europa, México e outros, o medicamento possibilita a melhora dos sintomas e função pulmonar, resultando em maior qualidade de vida e melhora nos parâmetros de atividade física e atividades do dia a dia do paciente.

Entenda a ação do medicamento

Spiolto (tiotrópio com olodaterol) é um tratamento broncodilatador de manutenção diária para o alívio dos sintomas da DPOC em pacientes adultos. Ele é composto do tiotrópio, princípio ativo do medicamento Spiriva® (aprovado no Brasil desde 2003), adicionado ao olodaterol (Striverdi®), desenvolvido para potencializar a eficácia do tiotrópio. Spiolto® proporciona melhora significativa na função pulmonar, nos sintomas da DPOC e na qualidade de vida em relação ao uso isolado do tiotrópio – desde os estágios iniciais, quando os pacientes precisam de terapia de manutenção.

O Spiolto® é administrado pelo dispositivo Respimat®, o único inalador disponível que produz uma Névoa Suave, que não exige que o paciente com DPOC faça esforço para inalar a medicação. Mesmo pacientes com DPOC leve podem apresentar dificuldade inspiratória, o que pode impactar em sua capacidade de inalar adequadamente o medicamento. Respimat® entrega ativamente a névoa suave independentemente da capacidade para inalar do paciente, possibilitando que tiotrópio e olodaterol cheguem profundamente no pulmão.

DPOC apresenta dados alarmantes

A Organização Mundial da Saúde (OMS) projeta que, em 2020, a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) será a terceira causa de morte no mundo. Sendo reflexo, principalmente, do tabagismo, a DPOC leva à dificuldade de respirar e ao cansaço progressivo e constante, tornando-se um obstáculo a uma série de atividades. Todos os anos, a DPOC leva a óbito cerca de 40 mil brasileiros, o equivalente a quatro pacientes por hora, segundo dados do Ministério da Saúde. A doença custa aos cofres públicos aproximadamente R$ 100 milhões por ano.

O diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento adequado da DPOC. Os primeiros sinais (cansaço, tosse, pigarro e falta de ar) costumam ser confundidos com sinais do envelhecimento, fazendo com que o diagnóstico preciso seja feito quando o pulmão do paciente já está bastante comprometido.

Fonte: Guia da Farmácia
Imagem: Shutterstock

Conheça cinco fatos sobre resistência bacteriana aos antibióticos

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

2 Comentários

  1. Avatar

    Spiolto está mudando minha qualidade de vida. Depois de quase ir à óbito em outubro de 2019, em uso contínuo desde então hoje estou bem melhor.

Deixe um comentário