Anvisa atualiza guia de uso emergencial de vacinas

Agência aprimora a redação de itens referentes aos documentos a serem apresentados nos pedidos de autorização de uso emergencial de vacinas contra Covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) atualizou o Guia n° 42/2020, que trata dos requisitos mínimos para submissão de solicitação de autorização temporária de uso emergencial, em caráter experimental, de vacinas Covid-19.

O guia, portanto, é um instrumento de orientação, convergente com os requisitos das autoridades: Estados Unidos (FDA),  Reino Unido (MHRA) e Organização Mundial da Saúde (OMS).

Todavia, a publicação foi alterada em pontos específicos referentes aos documentos a serem submetidos à Agência.

Confira:

Textos antigos Textos novos
XVI – Informações sobre a quantidade de produto acabado disponível e cronograma de disponibilização ao país; XVI – Informações sobre a previsão da quantidade de produto acabado disponível para importação e/ou disponibilização;
XIX – Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) a ser assinado pelo paciente, o qual deve estar preenchido com os dados específicos da vacina que se pretende autorizar.  XIX – Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) a ser assinado pelo paciente, o qual deve estar preenchido com os dados específicos da vacina que se pretende autorizar.

Sugere-se utilizar o modelo simples disponibilizado pelo Governo do Reino Unido (disponível em: https://www.gov.uk/government/publications/covid-19-vaccination-consent-form-and-letter-for-adults) ou outro modelo desenvolvido pela empresa.

 

Compromisso

O guia foi publicado, no início do mês de dezembro, com o objetivo de orientar as empresas desenvolvedoras de vacinas sobre os dados.

E também sobre as informações necessárias para apoiar a decisão da Agência na emissão de autorização temporária para vacinas experimentais.

Assim, a atualização visa também facilitar o entendimento do processo de envio de documentos, bem como tornar o procedimento mais ágil.

Por fim, a Anvisa reafirma o compromisso com a saúde pública e atuação célere para fins de disponibilizar à população brasileira uma vacina contra a Covid-19 conforme os parâmetros de qualidade, eficácia e segurança.

Importância do guia de uso emergencial para as vacinas

O guia n° 42/2020 foi elaborado, contudo, considerando os dados a serem apresentados, a população-alvo, as características do produto, os resultados dos estudos pré-clínicos e clínicos.

Assim como  a totalidade das evidências científicas disponíveis relevantes para a vacina.

Além disso, para a decisão da Anvisa, a empresa deve avalizar que as informações de fabricação e estabilidade são adequadas para garantir a qualidade da vacina.

Ressalta-se ainda que, quando uma vacina Covid-19 é aprovada para uso emergencial pelas autoridades reguladoras com equivalência regulatória na área de vacinas, como é o caso das autoridades reguladoras dos Estados Unidos e do Reino Unido, por exemplo, frente à similaridade com os requisitos regulatórios  estabelecidos pelo  Brasil, não se vislumbra, todavia, dificuldade em que pedido semelhante também seja submetido à Anvisa.

Ou seja, a empresa que atenda estas condições  também poderia solicitar a autorização para fins de uso emergencial no Brasil.

Ministério da Saúde: vacinação poderá começar entre 20 de janeiro e 10 de fevereiro 

Fonte: Ministério da Saúde

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário