Destaques & lançamentos

Anvisa recebe o primeiro pedido de vacina contra Covid-19 recombinante

Agência tem 60 dias para a análise da solicitação

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu esta semana o pedido de registro da vacina  recombinante contra a Covid-19, a Covovax.

A saber, é o primeiro imunizante apresentado no Brasil que utiliza a tecnologia de proteína recombinante.

A solicitação foi feita pela Zalika Farmacêutica Ltda., que representa no Brasil o fabricante dos imunizantes, o Instituto Serum, da Índia.

Todavia, a indicação proposta é para adultos maiores de 18 anos de idade.

O pedido foi apresentado à Anvisa no âmbito da resolução da diretoria que traz critérios e procedimentos extraordinários para pedidos de registro decorrentes do novo coronavírus (Covid-19).

A norma prevê, por exemplo, a análise prioritária e a possibilidade de se firmar termos de compromisso, como foi feito com outras vacinas contra a Covid-19 já autorizadas no Brasil.

“O protocolo foi recebido nesta quarta-feira (27/4) e já está em avaliação pelas áreas técnicas envolvidas. O prazo de análise da Agência é de 60 dias”, informou, portanto, a Anvisa em nota.

Ainda de acordo com a Anvisa, o processo de análise de vacinas é feito de forma conjunta por três áreas diferentes. A primeira é a área de medicamentos, que avalia os aspectos de segurança e eficácia.

Em seguida vem a farmacovigilância, responsável pelo monitoramento e planos de acompanhamento da vacina após sua entrada em uso no país.

Por último, a análise passa pela área de Inspeção e Fiscalização, responsável pela avaliação das Boas Práticas de Fabricação.

Tecnologia recombinante contra a Covid-19

De acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz), vacinas recombinantes utilizam a tecnologia de vetor viral não-replicante de adenovírus de chimpanzé.

O genoma é manipulado geneticamente para que ele não possa mais se replicar e para inserir o gene da proteína da espícula (do inglês Spike ou proteína S) do SARS-CoV-2.

Depois de obtido, os adenovírus são amplificados em grande quantidade usando células também modificadas, para permitir, então, a amplificação do adenovírus e a produção da vacina em biorreatores descartáveis.

Esses adenovírus são purificados, concentrados e estabilizados para compor a vacina final.

A vacina passa por um rigoroso controle de qualidade antes de ser enviada aos postos de saúde.

Fonte: Agência Brasil

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário