Após infecção, é preciso esperar 4 semanas para tomar vacina

De acordo com uma nota técnica do Ministério da Saúde, quem foi infectado pela Covid-19 deve adiar a vacinação por pelo menos quatro semanas após o início dos sintomas

O Brasil enfrenta uma explosão de casos de Covid-19 impulsionada pela variante ômicron. Em meio a esse cenário, a vacinação contra o vírus continua. Com mais de 67% da população brasileira vacinada com o esquema primário –doses ou dose única–, grande parte das pessoas se prepara para receber o reforço do imunizante, que deve ser aplicado quatro meses após a segunda dose.

No entanto, de acordo com uma nota técnica do Ministério da Saúde (MS), quem foi infectado pela Covid-19 deve adiar a vacinação por pelo menos quatro semanas após o início dos sintomas.

Dessa maneira, então, pessoas assintomáticas devem esperar quatro semanas a partir, então, do primeiro exame de PCR positivo.

A nota destaca a necessidade de esperar a recuperação clínica para então tomar a dose adicional, caso a enfermidade dure mais tempo.

A orientação quanto ao intervalo de quatro semanas, na verdade, independe se o paciente for tomar a primeira, segunda ou terceira dose.

O médico e diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Renato Kfouri, explica que, caso uma pessoa apresente sintomas de resfriado e a Covid-19 seja descartada, não há problema em receber o imunizante. O único ponto de atenção, nessa situação, é não ter tido febre nas últimas 48 horas.

Pessoas assintomáticas

Kfouri analisa que, provavelmente, muitas pessoas assintomáticas foram vacinadas.

E o que intervalo proposto não se trata de uma medida com evidência científica que demonstrou que a vacina faria mal ou teria necessariamente um desempenho diferente, mas, sim, de uma precaução.

“A recomendação é com base naquilo que se entende de outras doenças, na base de convalescença [termo que se refere ao período de recuperação que uma pessoa passa após uma doença].”

Depois da infecção, vacina é de suma importância para a produção de anticorpos

Já o médico e professor da Faculdade de Medicina São Leopoldo Mandic, André Ricardo Ribas Freitas, explica, então, que a orientação de adiar a vacinação após ser infectado pelo vírus tem relação com a produção de anticorpos.

“Ao receber o antígeno, o corpo do paciente começa a produzir anticorpos para neutralizar o vírus e, ao produzir anticorpos, o corpo está aprendendo a se defender. Se o paciente já tem níveis de anticorpos suficientemente altos para neutralizar esse vírus, a vacina corre o risco de não fazer efeito”, explica Freitas.

As quatro semanas seriam o tempo necessário, então, para a redução dos níveis de anticorpos.

Portanto, aAssim, quando o paciente receber a injeção, seu sistema imunológico estará preparado para trabalhar com novos anticorpos.

Fonte: Jornal de Brasília

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário