fbpx

Aspen Pharma inicia produção de Xylocaína e Xyloproct

A produção de Xylocaína e Xyloproct pela Aspen Pharma faz parte do processo de transferência de anestésicos e da estratégia de ampliação da linha de semissólidos da companhia

A filial brasileira da sul-africana Aspen Pharma iniciou a produção de Xylocaína e Xyloproct em sua fábrica. A fábrica está localizada no Espírito Santo. Esses relançamentos fazem parte do projeto de transferência de produtos para a sua unidade fabril e da estratégia de ampliação das suas linhas produtivas. Além da fabricação das formas farmacêuticas liquidas e sólidas (comprimidos/cápsulas), a unidade passa a produzir produtos semissólidos (cremes/pomadas).

Assim, a operação foi iniciada em julho desse ano e para o primeiro ano fiscal (julho/19 a junho/2020), está prevista a produção de cerca de 450 mil bisnagas.

Veja Mais

“Essa iniciativa reflete o compromisso da Aspen Pharma Brasil com o desenvolvimento e crescimento da indústria farmacêutica no País. Isso integra os investimentos recentes feitos na fábrica. Ela passa a ser tratada como uma unidade de negócios estratégica”, afirma o CEO da Aspen Pharma, Alexandre França.
A farmacêutica finalizou o último ano fiscal (2018/2019) com crescimento de 48%. Dessa forma, totalizando R$ 375,3 milhões, considerado o melhor resultado do ano entre as 11 filiais do grupo no mundo. De 2015 a 2019, a Aspen Pharma Brasil teve um crescimento de 118%.

De acordo com a diretora de operações da Aspen Pharma, Vanessa Gomes, a produção de Xylocaína e Xyloproct vieram da aquisição de parte do portfólio da AstraZeneca. Além disso, a transferência de local de fabricação ocorreu em tempo recorde, considerando a complexidade do projeto. “A produção de Xylocaína e Xyloproct pela Aspen Pharma representa, ao mesmo tempo, a consolidação dos investimentos feitos e a possibilidade de ampliação para outros produtos que estão em fase de transferência e para os quais teremos novidades até o próximo ano”, afirma.

Ganhos e benefícios da produção nacional de Xylocaína e Xyloproct pela Aspen Pharma

Um dos principais benefícios para a companhia são os custos fixos. Assim, eles passam a ser compartilhados por mais produtos. Dessa forma, melhorando a produtividade e a margem de todos os medicamentos lá fabricados. Entre o planejamento estratégico da empresa para os próximos cinco anos está o investimento de quase R$ 50 milhões na fábrica do Espírito Santo. Além disso, a maior parte desse aporte será destinado para transferência de produtos para produção local. Assim, visando o mercado nacional a curto prazo e uma possível oportunidade de exportar esses produtos para filiais em outros países.

Foto: Aspen Pharma
Fonte: Aspen Pharma

Deixe um comentário