AstraZeneca e Imperial desenvolvem nova tecnologia de RNA

As empresas trabalharão para desenvolver uma possível próxima geração da tecnologia de RNA mensageiro para combater o câncer e outras doenças

A AstraZeneca fará um investimento “considerável” na empresa, chamada VaxEquity, e fornecerá pagamentos de até US$ 195 milhões, financiando até 26 possíveis medicamentos, disse o professor que lidera a pesquisa no Imperial, Robin Shattock.

A parceria planeja desenvolver terapias e vacinas, usando uma abordagem conhecida, portanto, como RNA autoamplificador.

“Recebemos o interesse de outras parceiras farmacêuticas, mas acho que o interessante em termos da AstraZeneca é o interesse mais amplo em explorar essa tecnologia, não apenas no campo de doenças infecciosas”, disse Shattock.

A parceria no Reino Unido, com foco também em áreas como câncer e doenças respiratórias, segue a colaboração da farmacêutica com a Universidade de Oxford para desenvolver, então, uma vacina contra a Covid-19 com uma tecnologia diferente.

A saber, a vacina de vetor viral da AstraZeneca é amplamente usada no mundo todo.

Agora, a Astra quer aproveitar o êxito de empresas como Moderna e Pfizer com a tecnologia de RNAm no desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19.

“Isso poderia ser aplicado em todas as nossas áreas de terapias”, disse Mene Pangalos, responsável por pesquisa biofarmacêutica da AstraZeneca. “É o próximo grande salto com potencial para transformar, então, ainda mais as plataformas de RNAm se conseguirmos fazer com que funcione.”

Aprendendo com a pandemia

O Imperial trabalha com a nova tecnologia de RNA mensageiro, como Pfizer, BioNTech e Moderna.

No entanto, com uma característica de autoamplificação destinada, então, a produzir uma resposta imunológica consistente e forte com uma dose muito menor.

O Imperial entrou na corrida de vacinas contra a Covid-19 no início de 2020.

No entanto, depois de ficar para trás, a universidade passou a focar em possíveis reforços, protegendo, então, a população contra novas variantes e ameaças futuras.

“O que aprendemos com a atual pandemia é que as abordagens de RNA funcionam e podem ser rápidas”, disse Shattock.

“O que o RNA autoamplificador traz para a mesa é que, se pudermos enfrentar o desafio de doses muito baixas, isso mudará completamente a produtividade e aumentará o acesso global.”

A VaxEquity foi fundada em 2020 por Shattock, do Imperial, e Morningside Ventures.

A AstraZeneca não é a única a ver oportunidades.

Contudo, a rival britânica GlaxoSmithKline disse no início do ano que havia iniciado, então, um estudo sobre a Covid-19 em estágio inicial usando tecnologia de RNAm de autoamplificação.

Enquanto isso, a AstraZeneca espera ter resultados nos próximos dois meses de uma possível vacina contra variantes em desenvolvimento com a Oxford.

“Esta vacina deve dar uma resposta imunológica mais ampla a essas variantes preocupantes”, disse.

Fonte: Yahoo

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário