Baricitinibe: Ministério da Saúde aprova primeiro medicamento para tratamento da Covid-19 no SUS

Medicamento já tem registro no Brasil para o tratamento de artrite reumatoide e dermatite atópica

O Ministério da Saúde (MS) anunciou nesta sexta-feira (1º) o uso do medicamento baricitinibe para Covid-19. De acordo com o governo, este será o “primeiro medicamento para o tratamento da Covid-19 no Sistema Único de Saúde (SUS)”.

A oferta do medicamento no SUS foi definida após decisão do Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), que recomendou o uso do medicamento.

A droga é comercializada pela Eli Lilly com o nome de Olumiant.

“O medicamento baricitinibe será disponibilizado para tratamento de pacientes adultos hospitalizados que necessitam de oxigênio por máscara ou cateter nasal. O baricitinibe já tem registro no Brasil para o tratamento de artrite reumatoide ativa moderada a grave e dermatite atópica moderada a grave”, informou o ministério.

Dessa maneira, então, mesmo medicamento foi recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e também já obteve aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Como atua o medicamento?

O baractinibe é uma droga que atua sobre o sistema imune, auxiliando no processo de recuperação de quadros inflamatórios.

De forma mais específica, então, ele diminui a ação da interleucina-6 (IL-6), substância ligada à ocorrência de reações inflamatórias geradas por diversas doenças.

E também se apresenta com níveis elevados em casos mais graves da doença.

Portanto, de acordo com a fabricante Eli Lilly, o medicamento é indicado para o tratamento da Covid-19 em pacientes adultos hospitalizados que necessitam de oxigênio por máscara ou cateter nasal.

Ou que necessitam de alto fluxo de oxigênio ou ventilação não invasiva.

Qual a eficácia do medicamento?

De acordo então com a farmacêutica, o estudo COV-BARRIER avaliou, então, o uso do medicamento.

E demonstrou, portanto, uma redução potencial de 38% da mortalidade no dia 28 de tratamento.

“O estudo foi global e incluiu pacientes de vários países com alta prevalência de hospitalizações por Covid-10 — EUA, Brasil, México, Argentina, Rússia, Índia, Reino Unido, Espanha, Itália, Alemanha, Japão e Coréia. O Brasil foi um dos países com maior número de participantes do estudo com 366 pacientes em 18 centros clínicos de 5 estados do país”, explicou a Eli Lilly.

Utilização pelo mundo

Ainda de acordo com a empresa, o medicamento de uso oral foi aprovado em mais de 70 países para o tratamento da artrite reumatoide moderada a grave e mais recentemente para dermatite atópica.

A saber, no Brasil, o medicamento está aprovado para este uso desde 2018 na indicação, portanto, para artrite reumatoide.

E desde 2021 para dermatite atópica, e a Conitec aprovou, então, em 2020 o uso de Olumiant para o tratamento da artrite reumatoide no SUS, onde já é distribuído aos pacientes para esta indicação.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já tinha, portanto, aprovado o uso do medicamento em 17 de setembro de 2021.

“Trata-se, portanto, de uma nova indicação terapêutica, já que o baricitinibe possui registro no Brasil para o tratamento de artrite reumatoide ativa moderada a grave e dermatite atópica moderada a grave”, informou a Anvisa.

Fonte: G1

Foto: G1 / Lilly/Divulgação

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário