Bayer muda estratégia de negócios na região

A meta é atender governos e operadoras de saúde

A Bayer mudou a estratégia de negócios da sua divisão farmacêutica na América Latina. A companhia, conhecida pela produção de anticoncepcionais, vai focar os esforços no atendimento ao mercado institucional, que inclui governos e operadoras de saúde, com medicamentos de alta complexidade. Até 2018, esse mercado representava apenas 20% do faturamento na região o restante. Os outros 80% vinham das vendas no varejo.

A meta, de acordo com o presidente para a América Latina, Adib Jacob, é que em 2022 o segmento institucional represente metade do negócio. Até setembro do ano passado, a receita da empresa na região somou € 710 milhões. Em 2018, a América Latina foi responsável por um faturamento de € 1 bilhão. O Brasil representa 50% do negócio na região.

Lançamento de medicamentos

Para isso, a farmacêutica planeja lançar sete medicamentos, sendo seis de alta complexidade destinado ao mercado institucional. “Estamos otimistas com a América Latina como um todo, lógico que é uma região com um dinamismo especial. Temos planos em todos os países chaves, como México, Colômbia, Argentina e Chile, que junto com o Brasil representam 90% dos negócios da região. Entre 2020 e o começo de 2021, todos os produtos estarão lançados e comercializados”, disse Jacob.

De acordo com o executivo, a expectativa de crescimento da divisão no mundo é de 4,5% a 5% em 2020, sendo que a América Latina deverá apresentar uma evolução maior, em função dessa nova estratégia de negócios. “Temos um potencial enorme de crescer. O Brasil é metade do negócio e crescendo muito ajuda a região. Mas temos perspectivas positivas no México, Argentina e Chile.”

Dos sete medicamentos programados para serem lançados até o primeiro trimestre deste ano, cinco já foram apresentados ao mercado brasileiro e os outros aguardam a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Um deles, o Kovaltry, remédio indicado para inibir a hemorragia em pacientes hemofílicos, foi aprovado no dia 6 de janeiro e agora a empresa aguarda a definição de preço pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED). “Esperamos que em oito semanas este produto tenha o valor definido e assim podemos submeter o medicamento ao Ministério da Saúde para ser distribuído pelo SUS (Sistema Único de Saúde)”, ressaltou o executivo.

Nova estratégia de negócios da Bayer

Jacob disse ainda que a Bayer está investindo fortemente em medicamentos oncológicos. Dos sete lançamentos neste período, três são destinados ao tratamento do câncer. “Há dez anos a empresa não era reconhecida por produzir e investir em medicamentos de alta complexidade. Migramos rapidamente os investimentos em inovação para as doenças que mais matam no mundo, que é câncer e cardiovasculares. E são inovações que trazem um avanço ao tratamento e não somente um ganho cosmético”, afirmou.

Um dos medicamentos, que é o carro-chefe da Bayer no Brasil, o Xarelto, indicado para o tratamento de doenças cardiovasculares, recebeu investimentos e agora é também indicado para proteção vascular. Ele aguarda aprovação da Anvisa para essa nova especialidade. “É o nosso maior produto e representa 30% de nossa receita. Em 2019, deve vender cerca de R$ 500 milhões e ser o medicamento mais vendido da indústria brasileira. Assim, esperamos colocar no mercado para essa [nova]indicação até março.”

O Xarelto e as pílulas, de acordo com o executivo, devem sustentar o crescimento das vendas no varejo no Brasil e na América Latina neste ano. “Estamos migrando muito rapidamente a nossa estratégia de negócios. Porém, a expectativa é seguirmos forte nas vendas em farmácia, principalmente com o Xarelto, que deve manter o crescimento.”

Portfólio da farmacêutica

Atualmente, a divisão farmacêutica da Bayer tem portfólio de cerca de 50 medicamentos comercializados no Brasil, incluindo a Aspirina de uso contínuo. “Temos pelo menos cinco produtos que vendem mais de R$ 100 milhões por ano, entre eles os de especialidades indicados para doenças mais complexas e os anticoncepcionais. Mas, os lançamentos devem colocar os medicamentos de alta complexidade entre os mais vendidos nos próximos anos”, afirmou Jacob.

Ele disse que a Bayer tem 50 moléculas em estudos nas fases 1 e 2 e que em 24 meses devem estar no mercado. “Pelo menos três remédios, a maioria para o tratamento de câncer, devemos trazer para o Brasil.” A Bayer tem 15 centros de pesquisa no mundo.

Brasil passa a ser a sede regional da divisão farmacêutica da Bayer na América Latina
Fonte: Valor econômico

Foto: Claudio Belli/Valor

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário