Biossimilar de rituximabe da Amgen é aprovado pela Anvisa

O biossimilar terá indicação para linfoma não Hodgkin e leucemia linfoide crônica, além de artrite reumatóide, granulomatose com poliangiite e pênfigo vulgar

O medicamento biossimilar da molécula rituximabe, produzido pela Amgen, obteve aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para tratamento de cinco doenças, sendo dois tipos de câncer e três patologias inflamatórias.

Assim como o biológico originador, o biossimilar terá indicação para linfoma não Hodgkin e leucemia linfoide crônica, além de artrite reumatóide, granulomatose com poliangiite e pênfigo vulgar.

Esse é o quinto medicamento biossimilar da Amgen a obter aprovação no Brasil.
Sendo, então, o primeiro com duas categorias de indicação aprovadas simultaneamente – doenças onco-hematológicas e inflamatórias crônicas.

No portfólio brasileiro de medicamentos biossimilares, a Amgen acumula outras quatro moléculas – trastuzumabe e bevacizumabe na oncologia, e adalimumabe e infliximabe para tratamento de doenças inflamatórias crônicas.

“Os biossimilares são fundamentais para o cuidado dos pacientes que convivem com doenças complexas e crônicas, pois têm potencial de ampliar o acesso aos tratamentos, além de contribuir com o sistema de saúde no País”, afirma o diretor médico da Amgen Brasil, Dr. Alejandro Arancibia.

Indicações

O biossimilar de rituximabe tem indicação para cinco doenças, sendo duas onco-hematológicas e três inflamatórias, de origem autoimune.
O mais incidente de todos é o linfoma não Hodgkin, que atinge pouco mais de 12 mil pessoas por ano, com quase cinco mil mortes, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Com origem nas células do sistema linfático, que integra o sistema imunológico e auxilia no combate a doenças, esse tipo de câncer pode surgir em qualquer lugar, uma vez que o tecido linfático é encontrado em todo o corpo. Acomete crianças, adolescentes e adultos.

Outra indicação do medicamento é para leucemia linfoide crônica (LLC), doença que também pode afetar o sistema imunológico, aumentando o risco de infecções.
Ela ocorre quando as células cancerígenas substituem gradualmente as células saudáveis produzidas pela medula óssea. É um câncer do sangue.

No entanto, na maioria dos casos, atinge pessoas com mais de 50 anos.

No segmento imunológico, o medicamento é indicado para artrite reumatóide, doença inflamatória crônica que pode afetar várias articulações.
No entanto, a causa é desconhecida e acomete as mulheres duas vezes mais do que os homens. Inicia-se geralmente entre 30 e 40 anos, e sua incidência aumenta com a idade.
Também podem ser afetados outros órgãos e tecidos, como por exemplo: pele, unhas, músculos, rins, coração, pulmão, sistema nervoso, olhos e sangue.
Outra indicação do medicamento é para granulomatose com poliangiite, doença sistêmica caracterizada por inflamação granulomatosa necrotizante (nódulos que podem levar à necrose local) e vasculite, que envolve, portanto, principalmente o trato respiratório superior e inferior, bem como os rins.
Já a incidência anual descrita varia entre 2,1 e 15 por milhão.
A quinta e última indicação do medicamento é para pênfigo vulgar.
Uma doença autoimune caracterizados pela formação de bolhas na pele e, às vezes, também em mucosas como boca, garganta, olhos, nariz e região genital.
Potencialmente fatal, a doença tem incidência de 0,1 a 0,5 casos novos por cem mil habitantes por ano.
Acomete, então, pessoas usualmente entre a quarta e sexta décadas de vida e não há diferença na distribuição entre homens e mulheres.
Fonte: Amgen
Foto: Shutterstock
Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário