Black Friday: vendas em farmácias e drogarias tiveram segundo melhor desempenho

Nesta edição da Black Friday, o destaque foram vendas via e-commerce. Drogarias e farmácias representaram 2,6% dessas compras

A Cielo informou que as vendas no varejo brasileiro caíram 14,5% na Black Friday deste ano, comparado com a data no ano passado. O índice considera as vendas gerais, e não apenas as transação processadas nas maquininhas da Cielo. A queda geral foi puxada pelo varejo físico, que teve contração de 25,5%, enquanto no comércio eletrônico as vendas cresceram 21,2%.

No entanto, outro impacto claro da pandemia de coronavírus no resultado se reflete na divisão por setores. As vendas em turismo e transporte caíram 50,7%.

Outros segmentos com queda foram cosméticos e higiene pessoal (-41,4%) e vestuário (-36,7%). Já os setores com maior expansão foram materiais para construção (9,9%), drogarias e farmácias (2,6%) e veterinárias e pet-shops (1,7%).

Na divisão geográfica, a região Sudeste liderou as quedas, com baixa de 31,1%.

Na sequência aparecem Nordeste (-21,8%), Sul (-21,4%), Centro-Oeste (-13,3%) e Norte (-10,2%).

De acordo com o superintendente-executivo de inteligência da Cielo, Gabriel Mariotto, o crescimento do e-commerce está relacionado com a maior familiaridade das pessoas em comprar pela internet.

“Desde o início da pandemia, com as medidas de isolamento, as pessoas buscaram o e-commerce para realizar compras. Assim, essa mudança de comportamento se reflete nos resultados da Black Friday, uma data tradicionalmente mais forte nesse canal”, afirma.

Considerando a Black Friday e a véspera, as vendas no varejo brasileiro tiveram queda de 8,6% este ano na comparação com o mesmo período do ano passado.

Fonte: Valor Investe

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário