Destaques & lançamentos

Brasil receberá antiviral para enfrentamento da varíola dos macacos

Segundo o ministro Queiroga, medicamento tecovirimat será usado para "casos mais graves em um primeiro momento"

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou nesta segunda-feira (1º) que o país receberá o antiviral tecovirimat para “reforçar o enfrentamento ao surto” de varíola dos macacos no Brasil.

O Ministério tem usado o termo “surto” para descrever a situação da doença no país desde a semana passada.

A saber, o surto é o primeiro estágio de uma escala de evolução do contágio, que pode se transformar em epidemia, endemia e pandemia – caso da Covid-19, por exemplo.

Prioridade

Em publicação nas redes sociais, Queiroga informou que o medicamento será enviado por intermédio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

“Serão contemplados casos mais graves em um primeiro momento”, escreveu o ministro.

O tecovirimat tem sido disponibilizado como opção de “uso compassivo” nos Estados Unidos.

Entretanto, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) do país afirma que ainda não há dados humanos que demonstrem a eficácia do antiviral para o tratamento da varíola dos macacos.

“É essencial a realização de estudos randomizados e controlados para avaliar a segurança e eficácia do TPOXX em humanos com infecções por varíola dos macacos.”==”, informa o CDC.

Em coletiva na última sexta-feira (29/7), o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, afirmou que a primeira remessa de vacinas contra varíola dos macacos adquiridas pelo Brasil deve ser entregue em setembro.

Medeiros ressaltou que a Organização Mundial da Saúde (OMS) não recomenda, neste momento, a vacinação em massa contra a doença.

Contudo, a orientação da entidade é de que a vacinação seja direcionada, então, para pessoas expostas a alguém contaminado e para aqueles com alto risco de infecção.

Até este domingo (31/7), o Brasil registrava 1.342 casos de varíola dos macacos, de acordo com o Ministério da Saúde (MS). A pasta confirmou a primeira morte pela doença no país na última sexta. A vítima era um homem, de 41 anos, internado em Belo Horizonte (MG).

Ainda de acordo com o Ministério, o paciente apresentava baixa imunidade e comorbidades, incluindo um quadro de linfoma, câncer no sistema linfático, que levaram, portanto, ao agravamento clínico.

Já a causa da morte foi, então, apontada como choque séptico, agravada pela infecção pelo vírus Monkeypox.

Fonte: CNN Brasil

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário