Cresce número de brasileiros que recorrem ao “Dr. Google”

26% das pessoas recorrem a esta ferramenta quando se deparam com algum problema de saúde

Embora não seja clínico geral, sequer formado em medicina, o “Dr. Google” é o primeiro a ser procurado por 26% dos brasileiros quando se deparam com algum problema de saúde. Além disso, o levantamento, feito pelo próprio Google, revelou que o Brasil é o País em que as buscas referentes à saúde mais cresceram no mundo no último ano. Enquanto as pesquisas de saúde cresceram 17,3%, as de cuidados com cabelos aumentaram apenas 3%, por exemplo.

O médico do Sistema de Saúde Hapvida, João Rodolfo Cavalcanti Andrade de Araújo, faz um alerta sobre essa prática: com a mesma rapidez com que o “Dr. Google” responde às dúvidas, pode colocar a saúde dos acometidos em risco.

“É muito comum os médicos prescreverem medicamentos, por exemplo, para pacientes com diabetes. Na consulta, além da medicação, discutem a questão da alimentação, atividade física e fazem todo o acompanhamento cuidadoso com base na vida daquele paciente. Aí vem uma vizinha e diz que tomou um determinado medicamento que viu na internet e ficou curada da diabetes, influenciando aquele que estava sendo acompanhado. Isso é grave, pois pode agilizar ainda mais o processo de avanço da doença, além de poder gerar um processo alérgico, por exemplo, levando-o à morte”, alerta o médico.

Para o Dr. Araújo, a internet é uma ferramenta valiosa, desde que seja utilizada com critério. De acordo com o especialista, a falta de experiência das pessoas com temas relacionados à saúde pode levá-las a achar que têm uma doença grave, quando o problema não passa de uma virose. Ou também pode acontecer o contrário. “A pessoa pesquisa os sintomas e conclui que não é nada sério, que um chá resolve, ignorando algo que pode ser mais grave do que realmente parece”, completa.

Dr. Google traz riscos pela automedicação

O médico da Hapvida lembra, ainda, que a automedicação é um dos maiores perigos para quem recorre ao “Dr. Google” quando está doente. “Muitas pessoas se deixam levar pelas soluções divulgadas na internet para economizar ou porque acham o procedimento fácil. Mas não sabem tratar as complicações. Por isso, mais uma vez, alerto para que procurem um profissional médico e evitem a automedicação que pode levar à morte”, destacou.

O médico ressalta, ainda, que muitas pessoas não têm capacidade para interpretar as informações que estão na internet. Por isso, o especialista aconselha a procurar sempre ajuda profissional. “Percebemos muitos pacientes chegando com uma carga de informações que não tinham antes. O médico é o profissional habilitado que sabe filtrar, por meio de estudo, livros, artigos científicos e por isso detém o saber sobre os melhores caminhos a seguir no diagnóstico e tratamento das doenças para cada paciente. É muito arriscado fazer as interpretações e tomar conclusões leigas”, afirmou.

Fonte: Guia da Farmácia

Foto: Shutterstock

20% das brasileiras não cuidam adequadamente da saúde sexual

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário