Bristol-Myers Squibb anuncia compra de Celgene por US$ 74 bilhões

Fusão criará uma empresa líder especializada em biofarmacêutica

A Bristol-Myers Squibb  e a Celgene Corporation anunciaram ontem (03) um acordo de fusão definitivo no qual a Bristol irá adquirir a Celgene numa transação de aproximadamente US $ 74 bilhões. A transação criará uma empresa líder especializada em biofarmacêutica, bem posicionada para atender às necessidades de pacientes com câncer, doenças inflamatórias e imunológicas e doenças cardiovasculares por meio de medicamentos inovadores de alto valor e importantes capacidades científicas.

Com áreas de foco complementares, a empresa combinada operará com alcance e escala globais, mantendo a velocidade e a agilidade que são fundamentais para a abordagem estratégica de cada empresa. Quando as negociações forem concluídas, espera-se que os acionistas da Bristol-Myers Squibb detenham aproximadamente 69% da empresa, e que os acionistas da Celgene detenham aproximadamente 31%.

“Juntamente com a Celgene, estamos criando um líder inovador de biofarmacêutica, com franquias líderes e um pipeline profundo e amplo que impulsionará o crescimento sustentável e oferecerá novas opções para pacientes em uma série de doenças graves”, disse o diretor-executivo da Bristol-Myers Squibb, Giovanni Caforio. “Como uma entidade combinada, vamos melhorar nossas posições de liderança em todo o nosso portfólio, incluindo câncer e imunologia e inflamação. Também nos beneficiaremos de um pipeline expandido de estágio inicial e final que inclui seis lançamentos de produtos de curto prazo esperados. Juntos, nosso pipeline tem uma promessa significativa para os pacientes, permitindo-nos acelerar novas opções por meio de uma gama mais ampla de tecnologias de ponta e plataformas de descoberta”.

“Por mais de 30 anos, o compromisso da Celgene para liderar a inovação nos permitiu oferecer tratamentos que mudam a vida de pacientes em áreas de alta necessidade não atendida. Combinando com a Bristol-Myers Squibb, vamos entregar um valor imediato e substancial aos acionistas da Celgene, proporcionando uma participação significativa nas oportunidades de crescimento a longo prazo criadas pela empresa combinada”, afirmou o presidente e CEO da Celgene, Mark Alles. “Nossos funcionários devem estar incrivelmente orgulhosos do que conseguimos juntos, e animados pelas oportunidades à nossa frente ao nos unirmos à Bristol-Myers Squibb, onde podemos avançar ainda mais a nossa missão para os pacientes”.

Benefícios da fusão

* Criação de franquias oncológicas líderes em tumores sólidos e malignidades hematológicas lideradas por medicamentos como Opdivo e Yervoy, bem como Revlimid e Pomalyst;
* Uma das cinco principais franquias de imunologia e inflamação liderada por Orencia e Otezla;
* A franquia cardiovascular número 1, liderada por Eliquis;
* A empresa combinada terá nove produtos com mais de US$ 1 bilhão em vendas anuais e um potencial significativo de crescimento nas áreas centrais de doenças oncológicas, imunologia e inflamação e doenças cardiovasculares;
* Oportunidades de lançamento de curto prazo que representam mais de US$ 15 bilhões em potencial de receita. A empresa combinada terá seis lançamentos de produtos esperados a curto prazo: dois em imunologia e inflamação, e quatro em hematologia.

Fonte: Guia da Farmácia

Foto: Shutterstock

GSK e Pfizer anunciam fusão para medicamentos sem receita

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário