Câmara aprova uso obrigatório de máscaras em locais públicos na pandemia

A medida vale para a circulação em espaços e transportes públicos, vias públicas e locais privados, mas de acesso à população

A Câmara dos Deputados aprovou hoje (19) o texto-base de projeto que torna obrigatório o uso de máscara facial em locais públicos em todo o país para combater a pandemia do coronavírus. A medida vale para a circulação em espaços e transportes públicos, vias públicas e locais privados, mas de acesso à população. Os deputados ainda votavam destaques ao texto, que pode mudar o conteúdo do projeto, até a última atualização desta reportagem.

Caso a pessoa descumpra a determinação, terá de pagar multa de R$ 300. Em caso de reincidência, R$ 600. Contudo, como a fiscalização e a aplicação da multa se darão na prática precisará ser ainda regulamentado pelos estados ou municípios. Para virar lei, o texto tem de ser aprovado pelo plenário do Senado Federal e ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O poder público poderá fornecer máscaras de proteção individual à população de baixa renda. No caso, será considerado de baixa renda quem recebe o auxílio emergencial de R$ 600 pelo governo federal, BPC (Benefício de Prestação Continuada) ou o Bolsa Família.

Onde não for possível o poder público fornecer as máscaras à população mais carente, a multa pelo descumprimento da medida não deverá ser cobrada. Ficarão dispensadas da obrigatoriedade do uso da máscara crianças menores de 3 anos e pessoas com transtorno do espectro autista, deficiência intelectual, deficiências sensoriais, ou outras deficiências que as impeçam de usar uma máscara facial adequadamente, conforme declaração médica. Pelo projeto, os estabelecimentos autorizados a funcionar durante a pandemia têm de fornecer as máscaras de proteção individual aos funcionários e colaboradores, mesmo que de fabricação artesanal, quando estiverem atendendo clientes.

Uso obrigatório de máscaras

Em caso de descumprimento, a empresa terá de pagar multa de até R$ 300 por funcionário ou colaborador. Em caso de reincidência, R$ 600. Preferência a produtores locais Segundo o projeto, o poder público deverá dar preferência a máscaras produzidas por costureiras ou demais produtores locais, embora sempre de acordo com o preço de mercado. Os recursos adquiridos por meio das multas deverão ser aplicados no combate à pandemia e de acompanhamento disponível no portal da transparência ou outro meio para prestação de contas.

Ainda de acordo com o projeto, profissionais de saúde diagnosticados com a covid-19, doença causada pelo coronavírus, terão preferência no atendimento em estabelecimentos de saúde, como hospitais e clínicas, respeitados os protocolos nacionais de atendimento médico.

Foto: Shutterstock

Fonte: UOL 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário