Cientistas descobrem por que Covid-19 causa inflamação grave em alguns pacientes

Segundo o estudo, o coronavírus pode infectar e matar células imunes presentes no sangue e pulmões, causando a inflamação grave em alguns pacientes

Um estudo publicado na última quarta-feira (6), na revista científica Nature, com participação de pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), explica, pela primeira vez, por que a Covid-19 causa inflamação grave em algumas pessoas, que desenvolvem dificuldades respiratórias e danos em múltiplos órgãos.

O trabalho foi desenvolvido em parceria com a Escola de Medicina da Universidade Harvard e o Hospital Infantil de Boston, nos Estados Unidos.

Os pesquisadores observaram que, ao tentar combater a infecção pelo vírus SARS-CoV-2, o sistema imunológico produz um tipo específico de anticorpo, chamado afucosilado. 

Detalhes da descoberta

A ação desse anticorpo consegue neutralizar o vírus e impedir que ele entre nas células epiteliais do pulmão.

No entanto, também desencadeia um processo que leva, portanto, à produção descontrolada de células de defesa, o que pode agravar tal inflamação, de acordo, então, com os autores do trabalho.

“Queríamos entender o que distingue os pacientes da covid leve e grave. Sabemos que muitos marcadores inflamatórios são muito elevados em pessoas com doença grave e que a inflamação é a raiz da gravidade, mas não sabíamos o que a desencadeia”, explica a professora da Escola de Medicina da Universidade Harvard e uma das autoras do estudo, Judy Lieberman.

Células imunes

Para o estudo, os especialistas analisaram amostras de sangue de pacientes com Covid-19 internados no pronto-socorro e os comparou com amostras de indivíduos saudáveis ou outros indivíduos que sofrem de dificuldades respiratórias.

Eles também examinaram o tecido pulmonar de autópsias realizadas, então, em mortes por Covid-19.

Dessa maneira, com esses dados, descobriram que o Sars-CoV-2 pode infectar monócitos e macrófagos:

Dois tipos de células imunes presentes no sangue e pulmões, respectivamente.

Toda vez que a covid afeta essas células, a infecção causa a morte de monócitos e macrófagos, em um processo conhecido como piroptose, que “libera uma explosão de poderosos sinais de alarme inflamatório”.

“Em pacientes infectados, cerca de 6% dos monócitos sanguíneos sofreram uma morte inflamatória. É uma quantidade alta porque as células mortas são rapidamente eliminadas do organismo”, diz Lieberman.

“Esse percentual de piroptose sobe para 25% no caso de macrófagos pulmonares”, enfatiza, então, a especialista.

Proteína

Estudando essas células com mais detalhes em busca de “sinais” do SARS-CoV-2, os pesquisadores descobriram que cerca de 10% dos monócitos e 8% dos macrófagos foram, então, infectados, respectivamente.

O próprio fato de que ambos os tipos de células podem se infectar é surpreendente – a proteína celular que permite a entrada do coronavírus -, e os macrófagos apresentam, então, pequenas quantidades dessa proteína.

Os autores, então, acreditam que a infecção por Sars-CoV-2 em monócitos não havia sido detectada anteriormente.

Porque os estudos geralmente eram, então, realizados com amostras de sangue congeladas, nas quais não aparecem células mortas.

Como resultado, a pesquisa aponta ainda que há potenciais candidatos a medicamentos que podem inibir essa cadeia de eventos que resulta na inflamação gerada, portanto, pelos anticorpos produzidos em pacientes que contraíram a doença.

Fonte: Estadão

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário