Ciprofloxacino: o que é, contraindicações e como tomar

O ciprofloxacino é geralmente usado para o tratamento das infecções de alta complexidade como de trato urinário, pneumonias, otite, diarreia bacteriana, sinusite, ossos e infecções da próstata

Antibiótico utilizado para tratar infecções, o ciprofloxacino é geralmente usado para amplas infecções como por exemplo:infecções urinárias, diarreias bacterianas, infecções da próstata nos adultos, cistite, bronquite, sinusite, prostatite ou gonorreia.

Contudo, o medicamento não deve ser usado em casos de hipersensibilidade aos derivados quinolônicos, exceto em casos de exacerbação da fibrose cística associada ao Pseudomonas aeruginosa.

Além disso, seu uso deve ser sempre orientado por um médico.

Confira suas indicações, contraindicações, efeitos colaterais e muito mais.

O que é Ciprofloxacino?

O cloridrato de ciprofloxacino (ciprofloxacina) é um antibiótico da família das quinolonas de 2ª geração, que é também  composto pelos antibióticos: norfloxacino, ofloxacino, levofloxacino, moxifloxacino, gatifloxacino e gemifloxacino.

O ciprofloxacino é geralmente usado para amplas infecções como por exemplo:infecções urinárias, diarreias bacterianas, infecções da próstata nos adultos, cistite, bronquite, sinusite, bem como prostatite ou gonorreia.

O fármaco está disponível no mercado farmacêutico em forma de comprimido.

Cetoprofeno: O que é? Como usar? Indicações e Efeitos

Para o que serve?

O Ciprofloxacino pode ser tratado para curar infecções complicadas e não complicadas causadas por micro-organismos sensíveis ao ciprofloxacino. Como por exemplo:

  • Trato respiratório: tratamento recomendável em casos de pneumonia.
  • Ouvido médio (otite média) e seios paranasais (sinusite).
  • Olhos.
  • Rins.
  • Trato urinário eferente.
  • Órgãos genitais, inclusive anexite, gonorreia, prostatite.
  • Cavidade abdominal.
  • Pele e tecidos moles.
  • Ossos e articulações.
  • Sepse.
  • Descontaminação intestinal seletiva em pacientes sob tratamento com imunossupressores.

tomar-ciprofloxacino

Contraindicações

O cloridrato de Ciprofloxacino não deve ser usado em casos de hipersensibilidade aos derivados quinolônicos. Isso exceto em casos de exacerbação da fibrose cística associada ao Pseudomonas aeruginosa.

Dessa maneira, o Ciprofloxacino é contraindicado a crianças e adolescentes em fase de crescimento (entre 5 e 17 anos de idade), salvo quando os benefícios do tratamento puderem superar os riscos.

Além disso, pacientes com alto risco de arritmias cardíacas também deve evitar a medicação.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

O fármaco também não é recomendado o uso deste medicamento durante a amamentação, pois o ciprofloxacino é excretado no leite materno, e pode ser prejudicial para o bebê, devido ao risco de dano articular ao feto.

Efeitos colaterais do Ciprofloxacino

Apesar de ser um antibiótico com boa tolerabilidade, o ciprofloxacino e as quinolonas em geral apresentam alguns efeitos colaterais relevantes.

A categoria mais frequente de efeitos adversos envolve o trato gastrointestinal, assim, ocorrendo em 3 a 17% dos pacientes relatados em ensaios clínicos. Na maioria dos pacientes, perda do apetite, náusea, diarreia, bem como vômito e desconforto abdominal leve são os efeitos adversos mais frequentes. Do ponto de vista neurológico, o sintoma mais comum é a tontura, que surge em cerca de 11% dos pacientes.

No entanto, recentemente, novos tipos de efeitos adversos mais graves têm sido relatados. Os mais relevantes são alterações neurológicas, aumento do risco de hipoglicemia e de lesão dos tendões.

A saber, o risco de lesão dos tendões é maior nos pacientes idosos ou que fazem uso crônico de glicocorticoides. Doses excessivas do ciprofloxacino aumentam, então, o risco.

Outros efeitos colaterais

As quinolonas podem provocar delirium, comprometimento da memória, desorientação, agitação e distúrbios na atenção. Tais efeitos adversos são pouco comuns, mas podem surgir após a primeira dose e indicam a suspensão do tratamento quando surgem. Também há relatos de risco de neuropatia periférica, que pode ocorrer logo após o início da tratamento e pode ser irreversível.

As quinolonas também têm sido associadas a episódios de hipoglicemia, particularmente em pacientes idosos e com diabetes mellitus.

Devido ao reconhecimento recente de novos e relevantes efeitos adversos, desde 2016, órgão controlador americano Food and Drug Administration (FDA) sugere que as quinolas sejam evitadas nos pacientes com quadros de infecção simples, que podem ser tratados com outras classes de antibióticos, pois os riscos superam os benefícios. As quinolonas devem ficar reservadas às infecções mais graves, principalmente quando não há alternativas tão eficazes.

As únicas situações em que o ciprofloxacino pode ser utilizado na população pediátrica são os casos de infecção respiratória na fibrose cística e antraz.

Contudo, seu uso deve ser sempre prescrito por um médico. Isso porque a automedicação nunca é indicada, podendo causar sérios riscos a saúde.

Como tomar?

Os comprimidos devem ser tomados com líquido, sem mastigar, independentemente das refeições. Sendo que a dose máxima indicada para adultos é de 1500 mg por dia, ou conforme o que seu médico orientar.

É importante seguir a orientação do médico, respeitando sempre os horários, bem como as doses e a duração do tratamento para evitar a supersosagem.

As posologias mais recomendadas são:

  • Cistite: 250 mg a 500 mg de 12/12 horas. O tratamento dura 3 dias nas mulheres e 7 dias nos homens.
  • Pielonefrite: 500 mg de 12/12 horas por 7 a 14 dias. Contudo, nas formas graves, a via intravenosa é a mais indicada.
  • Prostatite aguda: 500 mg de 12/12 horas por 4 a 6 semanas.
  • Prostatite crônica: 500 mg de 12/12 horas por no mínimo 6 semanas.

Outras posologias:

  • Infecção por mordida de animais: 500 a 750 mg de 12/12 horas por 3 a 5 dias.
  • Diarreias infecciosas: 500 mg de 12/12 horas por 3 a 7 dias.
  • Artrite séptica: 500 a 750 mg de 12/12 horas por 14 a 21 dias (início após 7 dias de tratamento por via IV).
  • Peste: 500 a 750 mg de 12/12 horas por 10 a 14 dias.
  • Meningite meningocócica (profilaxia): 500 mg dose única.
  • Donovanose: 750 mg de 12/12 horas por 3 semanas.
  • Cólera: 1000 mg dose única.

Entretanto, o ciprofloxacino pode ser tomado com estômago cheio ou vazio.

Ajuste da dose para insuficientes renais

Nos pacientes com insuficiência renal crônica, a dose deve ser ajustada de acordo com a taxa de filtração glomerular para evitar intoxicação pela droga e conforme orientação médica.

  • Taxa de filtração glomerular acima de 50 ml/min: não é necessário ajuste da dose.
  • Taxa de filtração glomerular entre 10 e 50 ml/min: administrar 75% da dose a cada 12 horas.
  • Pacientes em hemodiálise ou diálise peritonial: 250 a 500 mg a cada 24 horas.
  • Taxa de filtração glomerular abaixo de 10 ml/min: administrar 50% da dose a cada 12 horas.

como-tomar-ciprofloxacino

Quanto custa?

Disponível nas farmácias e drogarias, o valor médio é de  R$50,00 a R$ 200,00, assim, dependendo da sua apresentação e da da região em que o estabelecimento se encontra.

Precisa de receita?

Sim. Como qualquer outro antibiótico, o ciprofloxacino só deve ser utilizado sob orientação de um médico e só pode ser comprado mediante a apresentação de uma receita médica.

Tarjas dos medicamentos: entenda o significado 

Conclusão

Ciprofloxacino é um antibiótico indicado para tratar doenças como pneumonia, sinusite e infecções no trato urinário, entre outras.

O ciprofloxacino tem diversas funções, como por exemplo, e na prevenção de infecções em pessoas com o sistema imunológico comprometido.

Contudo, nas crianças esse medicamento é contra-indicado na grande maioria dos casos.

Assim, sob muita orientação médica, o fármaco só pode ser comprado mediante receita médica.

Fontes:

Bula do paciente Geolab

Bula do profissional 

Medic

MD.Saúde

 

Fonte: Guia da Farmácia

Foto: Shutterstock

Não se automedique, consulte um profissional de saúde.

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário