Como a vitamina D atua na saúde e na imunidade?

Fatores genéticos e estilo de vida ajudam a manter a taxa de vitamina D satisfatória no corpo. No entanto, a reposição através de suplementação pode ser útil

A imunidade, recebeu uma atenção especial nesse período de pandemia entre os brasileiros.

Mas como é possível mantê-la em alta?

Várias atitudes e hábitos contribuem para manter a imunidade lá em cima, as dicas mais conhecidas são: alimentação adequada, prática de atividade física, ingestão de líquidos.

Porém, ultimamente, tem se falado da importância da Vitamina D na manutenção da saúde e da imunidade. A dúvida que fica é: elas têm relação?

Para o infectologista e consultor médico da Indústria Farmacêutica Prati-Donaduzzi, Dr. Eduardo Motti, a Vitamina D é essencial para os ossos, os órgãos vitais e para melhorar o sistema imunológico.

A Vitamina D e o Cálcio ajudam a manter os ossos saudáveis. O papel dela é favorecer a absorção do cálcio no intestino e sua incorporação aos ossos. Por este motivo, é importante sempre verificar os níveis corretos da vitamina no seu organismo”, explica.

Quando há deficiência de Vitamina D em crianças, pode acarretar no raquitismo, uma doença na qual os ossos crescem deformados e fracos, com pouco cálcio.

Já em adultos, a falta de Vitamina D favorece o aparecimento da osteoporose. Isto acontece porque, quando há falta de cálcio e de Vitamina D, o cálcio é retirado dos ossos para ser usado pelas células.

Motti ressalta que muitas outras células têm receptores para Vitamina D.

Entre elas estão o fígado, os músculos, os rins, o coração e os componentes do sistema imunológico.

O infectologista explique ainda que estudos científicos demonstram que a falta de Vitamina D está associada a maior mortalidade por doenças do coração, além de fraqueza muscular, dificuldade para controlar o diabetes e a uma maior suscetibilidade a diversas infecções.

Além disso, a Vitamina D é importante para a imunidade inata e a adaptativa – isto é, em resposta a infecções.

Por exemplo, as crianças com deficiência em Vitamina D são mais suscetíveis as infecções respiratórias e o problema é revertido quando os níveis normais são restabelecidos.

Como a vitamina é absorvida pelo organismo humano

De acordo com o infectologista, a Vitamina D é uma das vitaminas lipossolúveis, ou seja, aquelas que se dissolvem em gorduras.

“Isso é bom, porque ela se deposita nos tecidos gordurosos e pode formar uma reserva. Porém, para ser absorvida no intestino, a Vitamina D precisa da presença de gorduras e sais biliares. Desta forma, pessoas com problemas intestinais ou que fizeram cirurgias de redução do estômago têm dificuldade para absorvê-la”, ressalta Motti.

A vitamina D também pode ser produzida pelo nosso organismo através da exposição da pele aos raios solares.

Mas, apesar de vivermos em um país tropical com muito Sol, estudos mostram que até 2/3 das pessoas têm níveis sanguíneos de Vitamina D abaixo do recomendado (30 pg/ml).

A importância da suplementação

Com o agravamento da pandemia, e a recomendação de seguir o isolamento social com o objetivo de evitar exposição aos espaços abertos e diminuir o contágio, a dieta do brasileiro ficou ainda mais pobre em Vitamina D.

Nesse sentido, a questão da vitamina ganhou destaque entre as substâncias estudadas na pandemia, para entender o seu papel e benefícios, e se há alguma contribuição de prevenção em relação à infecção pelo Coronavírus.

Verificou-se que uma grande porcentagem de pacientes com a forma grave da Covid-19 tinha níveis insatisfatórios de Vitamina D no sangue.

Um estudo publicado no periódico Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism realizado por membros da Universidade de Cantábria e do Hospital Marqués de Valdecilla, em Santander (Espanha), mostrou que 80% dos casos graves internados tinham níveis baixos de Vitamina D no sangue, contra apenas 40% de controles não internados.

Controle da vitamina D para uma maior imunidade

Motti explica que quando não há quantidade suficiente de Vitamina D, a reposição através de suplementação pode ser útil.

Muitos especialistas recomendam o uso diário de 400-1000UI.

Caso o nível sérico esteja abaixo de 30 ng/ml, pode ser necessária uma reposição mais rápida com formas mais concentradas de Vitamina D – que devem ser prescritas por um médico.

Apesar de bons indícios, os estudos controlados e randomizados ainda não comprovaram os resultados destas observações.

Fatores que influenciam na taxa de vitamina D

Acredita-se então que isso pode estar ligado a variedade de dietas, exposição ao Sol e à genética das pessoas, todos os fatores que influenciam a Vitamina D.

De qualquer forma, uma informação precisa está clara: “a Vitamina D não trata a Covid-19, mas pode ser importante na prevenção da doença, especialmente das formas mais graves. Os estudos continuam e é bom ficar atento aos resultados”, alerta o médico.

Vitamina D e sua relação com a Covid-19 

Fonte: Prati-Donaduzzi

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário