PDV

Como os pontos de vendas devem se transformar em 2021

Com a renda comprometida, é difícil prever se o consumidor manterá os hábitos adquiridos ao longo de 2020

O ano já começa com ainda mais desafios para os varejistas: fim do auxílio emergencial, aumento no desemprego e reajuste de aluguel com base no IGP-M são alguns deles.

Qualquer previsão para 2021 é rodeada de incertezas, principalmente no que se refere a canais de venda e comportamento de consumo.

Com a renda comprometida, é difícil prever se o consumidor manterá os hábitos adquiridos ao longo de 2020.

Mas o cenário dá algumas pistas de como será o futuro do varejo.

O sócio-diretor da Gouvêa Malls, Luiz Alberto Marinho, explica que, mesmo que os primeiros meses do ano ainda sejam difíceis, o varejista tem razões para esperar por um 2021 mais animador, com a iminência da vacina e a retomada da confiança do consumidor.

Desafios para as vendas em 2021

O especialista lembra que, em 2020, munido de crédito ou do auxílio emergencial, o cliente mostrou predisposição para consumo, principalmente em serviços considerados essenciais, como supermercados e farmácias.

Mas também no comércio eletrônico, que engloba o delivery de alimentos e teve resultados históricos. Esses fatores precisam ser considerados ao se pensar na reestruturação dos pontos de venda para os próximos meses.

Legado da pandemia

pandemia ajudou a acelerar algumas tendências que já eram apontadas para o varejo havia alguns anos, como a omnicanalidade e o avanço do uso de tecnologia nas lojas físicas – e não somente o e-commerce.

“O melhor exemplo é o WhatsApp, o que chamamos de um CRM na palma da mão do vendedor”, comenta o presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), Eduardo Terra.

De acordo com Terra, o modelo de loja que abre e espera pela chegada do consumidor está fadado ao fracasso. “Ela tem que abrir e imediatamente ativar clientes por meio de recursos digitais. Trazer quem está em casa, na rua ou no trabalho. As lojas físicas vão virar bases de trabalho e de mercadoria para ativação de clientes.”

Dessa forma, a metragem dos pontos deve ser repensada ao longo do ano. Para negócios que tenham essa característica, não haverá mais necessidade de uma loja espaçosa para apenas armazenar produtos.

No entanto, a experiência continua viva no setor, agora considerado questões de higienização e touchless (sem toque).

Valorização da proximidade e logística

O home office mudou a rotina dos escritórios e de estabelecimentos que dependiam totalmente de fluxo em áreas comerciais.

Isso também deve levar ao surgimento de novas operações em regiões mais residenciais em 2021.

A logística sempre foi apontada como um dos maiores gargalos para o avanço do e-commerce no Brasil.

Em 2020, com o crescimento compulsório nas estratégias de omnicanalidade e também no surgimento de novos operadores logísticos, essa barreira começou a ser vencida.

No entanto, na visão de Marinho, a pandemia tem aumentado a diferença entre as empresas maiores e estruturadas e os pequenos varejistas.

O próprio omnichannel é uma prova disso, pois é uma modalidade que demanda volume para ter resultados financeiros significativos. “O pequeno, de alguma maneira, é quem está mais vulnerável em toda essa revolução que estamos assistindo, e será quem mais precisará de apoio.”

Farmácias escapam da crise e iniciam novo ciclo de aberturas 

Fonte: PEGN

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário