PDV

Como utilizar a hospedagem na nuvem na sua farmácia

Para o dono da farmácia iniciar a hospedagem na nuvem, o primeiro passo é contratar uma solução com a tecnologia para este fim e que seja adequada ao seu modelo de negócio

A hospedagem na nuvem, permite gerenciar a operação com segurança e disponibilidade, ou seja, com um sistema que funciona on-line ou off-line e não precisa de servidor, sendo uma tecnologia aliada da sua farmácia.

  • Soluções cloud – tecnologia que utiliza servidores distribuídos e compartilhados no ambiente virtual – são uma boa saída, porque seguem o modelo de outras soluções SaaS (Service as Service) e possibilitam maior segurança, capacidade de armazenamento e memória. Utilizando uma solução na nuvem, o varejista de farmácia não só tem a certeza de que seus dados estarão seguros e livre de possíveis perdas por qualquer instabilidade, como ele terá facilidade de backup, custos gerais reduzidos, possibilidade de acesso remoto, maior escalabilidade, além de atualizações constantes e automáticas.

Como tendência, o volume de dados gerados tende a crescer de forma exponencial. Para fins de comparação, o IDC estima, no relatório “Data Age 2025” para a Seagate, que 6 bilhões de usuários, ou 75% da população mundial, terá interação com dados online diariamente até 2025. Isso está associado à transformação digital que estamos vivendo, já que pessoas e empresas estão cada vez mais buscando serviços on-line, e redefinindo conceitos de entretenimento, compras, comunicação, educação, marketing, dentre outros. Ou seja, estar atento aos dados tem estado cada vez mais no centro das preocupações dos varejistas.

  • Soluções on premise – modelo de sistema instalado e executado dentro da própria companhia – ainda são bem comuns nas farmácias, porque suprem bem a demanda, porém olhando para o futuro dos negócios e tirando como base os dados acima, a volume de informações só tende a crescer e, para suportar este volume com maior segurança, hospedar a operação na nuvem tem sido o caminho mais viável utilizado pelos varejistas, até porque o modelo possibilita acessar a operação de forma remota, a qualquer momento, trazendo mais agilidade ao negócio.

Para o dono da farmácia iniciar a hospedagem na nuvem, o primeiro passo é contratar uma solução com a tecnologia para este fim e que seja adequada ao seu modelo de negócio. Após a implantação do sistema, vem o segundo passo, o treinamento da equipe. Hoje, existem soluções robustas, que oferecem mais agilidade, com interface intuitiva, auxiliando na redução de custos administrativos e de treinamento de funcionários, além de facilitar a gestão financeira e dos estoques ao mesmo tempo em que garante o cumprimento das obrigações tributárias e fiscais.

Mas o que pode ser guardado na nuvem?

Toda a operação da farmácia, desde a administração de estoque, reposição de mercadorias, até a gestão financeira completa, com as obrigações fiscais e tributárias, podem ser guardadas na nuvem, sendo uma opção mais segura para os seus dados.

De modo simples, hospedar na nuvem significa que o servidor, banco de dados, armazenamento, rede e softwares não estão armazenados em um meio físico (on premise) e sim em um ambiente virtual, via internet. Utilizando uma solução na nuvem, o varejista de farmácia garante que seus dados estarão seguros e a operação funciona online e offline, evitando possíveis perdas por qualquer instabilidade. A médio prazo, com a facilidade de acesso à informação e redução dos equipamentos (hardware), custos gerais são reduzidos. Outros benefícios são a possibilidade de acesso remoto, maior escalabilidade, além de atualizações constantes e automáticas.

Existem quatro tipos de hospedagem na nuvem: a pública, a privada, a compartilhada e a híbrida. A nuvem pública costuma ser a mais barata e com implantação simples. Nela, o fornecedor é o proprietário da infraestrutura e ele quem disponibiliza aos clientes, interagindo por meio de protocolos de internet. Este tipo de nuvem é comumente usado para e-mails, hospedagem de sites, aplicativos e vídeos. Já na nuvem privada, a infraestrutura é exclusiva, estrita às necessidades da empresa e geralmente conectada a data centers internos. Este tipo de nuvem é indicado para marcas que precisam ter um maior controle sobre os dados que transitam em seus servidores, além de um tempo de resposta mais rápido.

No caso da nuvem compartilhada, o modelo é indicado para empresas que precisam compartilhar a infraestrutura entre um grupo específico, com interesses em comum. Ela pode ser operada por uma ou mais empresas envolvidas, uma entidade externa ou a combinação entre essas duas opções. Por fim, a nuvem híbrida mistura um pouco a característica da pública, privada e compartilhada e possui uma variedade de opções de uso. Por este motivo costuma ser o modelo mais indicado a ser usado pelas empresas, no entanto, costuma ser o de maior investimento.

Como digitalizar as farmácias independentes? 

Foto e fonte: gerente de ofertas e produtos da Linx, Leandro Ruggero.

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário