Comprada por grupo de franqueados, Farmais inicia agressivo plano de expansão nacional

Empresa pretende chegar a 500 unidades nos próximos três anos e atingir faturamento acima de R$ 2 bilhões, voltando a figurar entre as 10 maiores redes do segmento no País

Dois anos após a falência da Brasil Pharma, grupo empresarial ao qual fazia parte, a rede de drogarias Farmais está pronta para acelerar a expansão, agora sob nova administração. A marca foi adquirida em um leilão judicial por um grupo de 34 franqueados. 

Na época em que pertencia à Brasil Pharma, holding criada pelo banco BTG Pactual e que chegou a ser o terceiro maior grupo do varejo farmacêutico brasileiro, a Farmais contava com 450 unidades. Em junho de 2019, a Brasil Pharma teve sua falência decretada pela Justiça, que acatou pedido da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais da Comarca de São Paulo. O grupo reunia as redes Farmais, Sant’Ana, Mais Econômica e a distribuidora Big Bem.  

Entre todas essas empresas, a Farmais era a única superavitária, o que não evitou a bancarrota do conglomerado e obrigou que também fosse incluída na massa falida. Mas, mesmo envolvida no processo, a Farmais nunca perdeu o reconhecimento do mercado. De acordo com o estudo da CVA Solutions Varejo Drogarias 2021, divulgado em abril, a marca ocupa o sétimo lugar entre todas as redes de farmácia do País em relação ao custo-benefício percebido pelos clientes. Hoje, a rede totaliza 212 unidades – 187 lojas em operação e 25 em implantação –, que registram um faturamento anual de R$ 628 milhões, ficando entre as 20 maiores do segmento no País. 

Expansão da Farmais

Nesse mês, os novos proprietários abrirão o escritório da franqueadora, na Avenida Paulista, em São Paulo, para disputar um mercado que, de acordo com dados da Associação Brasileira das Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), movimenta quase R$ 60 bilhões anuais. A Farmais planeja a abertura de 50 unidades franqueadas até dezembro de 2021. Em três anos, a meta é que a rede totalize pelo menos 500 lojas em todas as regiões do País, atingindo um faturamento superior a R$ 2 bilhões. 

Os novos detentores da marca são empresários experientes e bem-sucedidos, com grande conhecimento do setor de medicamentos e perfumaria. A opção pela aquisição e manutenção do nome Farmais se deu exatamente em razão de sua força no mercado nacional.  

A compra da marca, bem como o desembaraço jurídico e burocrático para sua utilização, levou em torno de oito meses após o leilão. Na sequência, foram necessários outros seis meses para a aquisição e o desembaraço dos domínios de internet, entre vários outros detalhes administrativos. Na negociação, os novos gestores não assumiram nenhum passivo relativo à Brasil Pharma, antiga detentora da marca. 

Contrato de franquia atualizado

Ao assumirem o controle da Farmais, os sócios estabeleceram um novo contrato de franquia, atualizando cláusulas e termos financeiros e inaugurando uma nova fase na relação com os franqueados. Em comparação com os parâmetros aplicados pelos antigos detentores da franquia, os royalties foram reduzidos pela metade.  

De acordo com o novo presidente e sócio da Farmais, Ricardo Uemura Kunimi, entre os franqueados que faziam parte da rede antes da falência, cerca de 90% aderiram ao novo modelo. “Alguns franqueados estão na rede desde o início”, comenta Kunimi. “A compra só foi possível porque, além do negócio, existia amor pela marca e pelo negócio franquia.” 

No momento, os franqueadores atuam na definição da nova estrutura administrativa e dos gestores comerciais – antigos franqueados estão assumindo posições administrativas, comerciais e nos demais departamentos. Com gestões específicas para atender às peculiaridades de cada região, o sistema está sendo pensado para adequar-se às idiossincrasias regionais, sob os mais diversos aspectos (tributário, de consumo, de marketing, etc.).  

A marca também passou por uma remodelação visual, com alterações no layout interno e externo das lojas, realizada pela empresa No Varejo. O grupo Cherto foi contratado para auxiliar em todos os processos.  

Aumento nos ganhos chega a 30% 

No novo organograma, visando garantir maior poder de negociação, os gestores da marca realizarão as compras coletivas junto à indústria. Já a operação logística será realizada por meio de distribuidoras parceiras. O foco é aumentar a rentabilidade na operação das farmácias. Entre as unidades já incorporadas ao novo sistema, o aumento nos ganhos já chega, em alguns casos, a 30%. 

Em trabalho conjunto com uma grande distribuidora do país, a ideia é de estabelecer operações em todos os locais onde a empresa parceira mantém centros logísticos. Ou seja, o objetivo da nova Farmais em sua expansão nacional será marcar presença em todos os Estados. Entre as inovações previstas está a criação de uma linha de produtos de perfumaria com a marca própria Farmais.  

Na remodelação da marca para o novo momento, foram criados novos layouts interno e externo para as lojas. Hoje, para terem capacidade de oferecer aos consumidores um catálogo de produtos mais amplo, as novas unidades precisam de espaços iguais ou superiores a 120 metros quadrados. Isso propicia a exposição de um mix de itens ampliado, trazendo às lojas maior competitividade. 

A taxa de franquias para a abertura de uma nova unidade da Farmais é de R$ 50 mil, com um investimento total de R$ 450 mil. No caso de conversão de bandeiras – quando a farmácia já existe, e o objetivo é passar a integrar a rede e utilizar a marca Farmais –, o valor da taxa é de R$ 30 mil, com investimento total de R$ 300 mil.

Acompanhe o ranking das farmácias preferidas e hábitos de consumo do brasileiro 

Foto e fonte: Farmais

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário