Conselho de farmácia não pode exigir responsáveis técnicos farmacêutico em postos de saúde

O colegiado considerou que a lei 5.991/73 somente exigiu a presença de responsável técnico em farmácias e drogarias

A 3ª turma do Tribunal Regional Federal (TRF) da 3ª região afastou multas lavradas pelo Conselho de Farmácia por não possuir responsável técnicos farmacêuticos nos dispensários de medicamentos das unidades a um centro que gerencia as Assistência Médica Ambulatorial (AMAs) e as Unidades Básicas de Saúde (UBSs).

O colegiado considerou que a lei 5.991/73 somente exigiu a presença de responsável técnico em farmácias e drogarias. Desta forma, os dispensários de medicamentos não estariam obrigados a cumprir as exigências de técnicos farmacêuticos nas UBS e AMAs.

O que foi alegado pelo não cumprimento de técnicos farmacêuticos nas UBSs e AMAs

Um centro de estudos e pesquisas de São Paulo alegou que mantém contratos de gestão com diversos entes públicos para gerenciamento de AMAs e UBSs e tem sido autuado pelo Conselho de Farmácia por não possuir responsável técnico farmacêutico nos dispensários de medicamentos das unidades.

Na ação, se discute a nulidade de multas lavradas pelo CRF-SP, que somavam mais de R$ 1 milhão.

O pedido de antecipação de tutela foi deferido para determinar que o conselho se abstenha de adotar qualquer medida que importe em sanção administrativa, suspendendo a exigibilidade das multas aplicadas.

Análise

Ao analisar recurso do Conselho, o juízo de origem confirmou a tutela antecipada, para determinar o conselho a se abster de técnicos farmacêuticos UBS, assim, de realizar fiscalizações, assim como lavrar autuações com fundamento no descumprimento da exigência.

Apelou o Conselho Regional de Farmácia de SP sustentando a necessidade de técnico farmacêutico responsável, asseverando que a lei 13.021/14 abarca as farmácias, drogarias e dispensários, sem distinção.

O relator, desembargador Federal Nery Júnior, ressaltou que o art. 19 da lei 13.021/14 dispões que “não dependerão de assistência técnica e responsabilidade profissional o posto de medicamentos, a unidade volante e o supermercado, o armazém e o empório, a loja de conveniência e a ‘drugstore'”.

“Sobre o dispensário de medicamentos, o STJ fixou entendimento reafirmada pela 1ª Seção, submetido ao rito do art. 543-C do CPC, no sentido de que a lei 5.991/73, em seu art. 15, somente exigiu a presença de responsável técnico em farmácias e drogarias.”

Diante disso, para o ministro, os dispensários de medicamentos a que se refere o art. 4º, XIV da lei 5.991/73, não estariam obrigados a cumprir as referidas exigências.

Assim, negou provimento à apelação do conselho.

De acordo com a advogada Marcela Arruda e o advogado Guilherme Amorim, sócios do escritório Rubens Naves Santos Jr. Advogados, que atuou no caso, “os ‘dispensários de medicamentos’ definidos na lei 5.991/1973 – que rege o controle sanitário e o comércio de drogas – não foram abrangidos pelas limitações da lei Federal 13.021/14, que dispõe sobre a fiscalização das atividades farmacêuticas“.

STF decide que apenas o farmacêutico pode ser responsável técnico por farmácias e drogarias 

Fonte: Migalhas

Foto: Senado

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário