HPC

Consumidor simplifica rotina de skincare e maquiagem no pós-Covid

A pandemia trouxe mudanças no comportamento, na rotina e nos hábitos do consumidor brasileiro

Aconteceu ontem (15), o evento “O consumidor brasileiro de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos durante a pandemia”, organizado pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec) em parceria com a Mintel.

O evento contou com a apresentação da analista sênior de beleza e cuidados pessoais da Mintel, Amanda Caridad, que falou sobre o cenário atual deste mercado, destacando as oportunidades e tendências em meio às limitações impostas pela Covid-19. “Devido a vacinação, deve haver uma abertura do mercado e consequentemente um aumento no consumo de produtos de beleza que consumidor deixou de comprar no início da pandemia. Porém, ele buscara por produtos mais baratos, ou que sejam um pouco mais caros, mas que tenham mais valor agregado. Já a longo prazo, o consumo dos produtos de beleza deve voltar aos níveis de pre pandemia, e junto com eles, algumas tendências que eram fortes antes da pandemia, como sustentabilidade, inovações em tecnologia, transparência e segurança nos ingredientes dos produtos”, explica Amanda.

Rotina do consumidor

Além disso, houveram mudanças no comportamento, na rotina e nos hábitos do consumidor brasileiro durante o período. “Houve uma redução na compra e no consumo de algumas categorias de beleza, como itens de maquiagem e esmaltes. Na contramão houve um aumento na busca por produtos de limpeza para casa e corporal”, explica Amanda.

Um dos tópicos que continua em alta e que foi impulsionado com a chegada da Covid foi a busca por bem-estar. “A tecnologia com a inteligência artificial, realidade aumentada, utilização de tecnologia para que o consumidor não toque nos produtos ou na hora do pagamento são soluções encontradas pela indústria para entregar algum tipo de produto ou solucionar algum tipo de problema. Assim, a tecnologia afeta a experiência que consumidor tem com a marca”, explica Amanda.

Outro tema importante para a indústria é trazer atributos que justifiquem o consumo daquele produto. “Durante as pesquisas vimos que no brasil 23% dos consumidores passaram a comprar produtos de cabelo mais caros como uma maneira de terem os resultados do salão em casa. Além disso, a quantidade de vezes que o brasileiro lavou o cabelo na pandemia cresceu”, conta a analista da Mintel.

Brasileiro também passou a usar menos maquiagem e 21% pretendem continuar assim. Já na categoria de skincare, 31% buscou simplificar a rotina. “Por isso, é importante pensar em produtos que sejam convenientes e que proporcionem uma rotina mais básica, como, por exemplo, os que combinam duas funcionalidades”, explica Amanda.

Busca por bem estar faz crescer vendas de cosméticos no Brasil durante a pandemia 

Fonte: Guia da Farmácia

Foto: Shutterstock

 

*Conteúdo exclusivo do Guia da Farmácia. Ao reproduzir, colocar a fonte e o link para o texto original.

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Sobre o colunista

Jornalista, redatora de textos SEO, especializada no setor farmacêutico.

Deixe um comentário