CoronaVac 75% e AstraZeneca 90%: estudo indica efetividade de vacinas contra internação e morte por Covid-19

Pesquisa analisou dados de 60,5 milhões de pessoas, das quais 21,9 milhões (36,2%) foram imunizadas com a CoronaVac e 38,6 milhões (63,8%) com a AstraZeneca

Um estudo realizado a partir da análise de dados de 60 milhões de brasileiros vacinados entre janeiro e junho deste ano aponta que a as vacinas CoronaVac e a AstraZeneca são efetivas na prevenção de casos graves de Covid-19, hospitalizações e também mortes.

A pesquisa aponta, contudo, que a efetividade de ambas as vacinas cai, então, na faixa acima dos 90 anos e sugere, então, uma dose de reforço para esse público.

Os dados foram publicados na última quarta-feira (25) no formato de pré-print, ou seja, é uma prévia do estudo.

O que é efetividade? É possível comparar vacinas?

Contudo, é importante saliente a diferença entre os conceitos de taxa de efetividade eficácia de uma vacina.

A saber, a taxa de eficácia é medida em condições controladas nos estudos com voluntários, como nos testes de fase 3.

Enquanto que a efetividade é também definida com base, portanto, em dados da população vacinada.

Especialistas alertam que as taxas de efetividade das duas vacinas não podem ser comparadas para apontar qual é mais eficaz.

Pois elas foram aplicadas em públicos diferentes e também em fases distintas da pandemia.

Pesquisa conjunta

A pesquisa atual sobre a vacina na população contou com o esforço conjunto de pesquisadores da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), da Universidade de Brasília (UNB), da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), da London School of Hygiene & Tropical Medicine e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Ao todo, o estudo considerou os dados de 60,5 milhões de pessoas, das quais 21,9 milhões (36,2%) de pessoas foram imunizadas com a CoronaVac e também 38,6 milhões (63,8%) com a AstraZeneca.

Veja abaixo os dados sobre a efetividade das vacinas:

CoronaVac

Efetividade em indivíduos de todas as idades e também com o esquema vacinal completo (duas doses da vacina).

  • 54,2% apresentaram risco menor de infecção pelo coronavírus;
  • 72,6% menor risco de hospitalização;
  • 74,2% menor risco de admissão na UTI;
  • 74% menor risco de morte;

 

AstraZeneca

Efetividade em indivíduos de todas as idades e com o esquema vacinal completo (duas doses da vacina).

  • 70% apresentaram menor risco de infecção;
  • 86,8% menor risco de internação;
  • 88,1% menor risco de admissão na UTI;
  • 90,2% menor risco de morte;

Certamente, nos dois casos, a efetividade da vacina cai em indivíduos que não completaram o esquema vacinal e tomaram apenas uma dose da vacina.

Efetividade na população idosa

Dos 60,5 milhões de brasileiros que participaram da pesquisa, 26,8 milhões de pessoas (44,4% do total) tinham 60 anos ou mais.

De acordo com os pesquisadores, os resultados foram semelhantes em todas as faixas etárias, com exceção, então, do grupo acima de 90 anos.

Enquanto a redução no risco de hospitalização e morte em indivíduos completamente vacinados com CoronaVac entre 60 e 89 anos foi de 84,2% e 76,5%, respectivamente.

Esse percentual é então para 32,7% e 35,4% em pessoas acima dos 90 anos.

O mesmo se observa com a vacina feita pela, portanto, Fiocruz.

Já a taxa de efetividade contra hospitalizações (94,2%) e morte (93,3%) cai para 54,9% e 70,5% em maiores de 90 anos, respectivamente.

“Ambas as vacinas demonstraram eficácia contra a Covid-19 grave pessoas com até 80 anos. Nossos resultados sugerem, então, que indivíduos com 90 anos ou mais podem se beneficiar de um terceira dose ou dose de reforço”, afirmam, então, os pesquisadores.

Pfizer e BioNTech vão produzir vacina contra a Covid-19 no Brasil em parceria com Eurofarma

Fonte: G1

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário