Coronavírus: entenda o impacto do vírus nas relações de trabalho

Marcelo Molina, do escritório Molina Advogados, aponta e explica as principais consequências do COVID - 19 nas relações contratuais

No dia 11 de março, a Organização Mundial de Saúde classificou como pandemia, o surto de coronavírus (COVID – 19) que vem crescendo, consideravelmente, em 110 países. A fim de conter a propagação deste vírus, diversos empregadores estão optando por dispensar seus funcionários e permitir que eles se enquadrem na porcentagem da população que está cumprindo quarentena, em suas casas, e/ou atuando em regime de home office.

Em março o Governo do Estado do São Paulo impôs severas restrições visando conter o avanço da epidemia. E em meio a este cenário, de tensão e medo, surge uma questão: como ficarão as relações contratuais e obrigações?

Para esclarecer esta e outras dúvidas, o advogado Marcelo Molina, do escritório Molina Advogados, revela quais são as principais áreas a serem impactadas pelo surto de coronavírus no Brasil e orienta como proceder de acordo com cada situação.

Os impactos do coronavírus no trabalho e nas relações contratuais

De acordo com Molina, os principais impactos causados pelo coronavírus serão:

-Falta ou atraso no cumprimento das obrigações;

-Falta de insumos para produção ou prestação de serviços;

-Atrasos ou impossibilidade de entrega de produtos ou serviços;

-Término antecipado dos contratos;

Coronavírus no trabalho: entenda como amenizar estes impactos decorrentes do vírus

A fim de auxiliar fornecendo informação, o advogado optou por apontar cinco maneiras, assertivas, para proceder mediante algumas situações que podem vir a acontecer. Confira:

  • Gestão dos contratos: avalie, ao menos os contratos principais de sua empresa, e verifique as consequências do inadimplemento, se é possível a prorrogação dos prazos, renegociação ou mesmo a extinção do contrato com fundamento em eventos de força maior;
  • Identifique as obrigações contratuais habituais e futuras da sua empresa. Caso verifique que alguma obrigação não poderá ser cumprida devido aos impactos da pandemia, notifique a outra parte, informe o ocorrido e as medidas que estão sendo adotadas pela empresa. Neste momento, a boa comunicação com as partes envolvidas é fundamental;
  • Cuidado com os novos contratos celebrados durante a pandemia. Verifique os prazos e obrigações para confirmar que poderão ser cumpridos neste período;
  • Faça uma avaliação dos riscos de cada contrato para que possa ser verificada a melhor solução em cada caso;
  • Negocie com fornecedores, prestadores de serviços e clientes sobre os prazos, obrigações, entregas, dentre outros;

Descubra o que é “evento de força maior” e qual seu impacto nas relações contratuais

“‘Eventos de força maior’ são aqueles decorrentes de fatos externos à vontade humana e impedem o cumprimento de obrigações, cujos efeitos não podem ser evitados ou impedidos”, explica Molina. “A pandemia do COVID-19 pode ser considerada como evento de força maior, uma vez que é uma situação que não poderia ser prevista pelas partes no momento da contratação, bem como não é possível prever ou impedir seus impactos”, complementa.

“Em casos de força maior, em regra, inexiste culpa pelo descumprimento das obrigações e, assim, o inadimplente não é responsabilizado, salvo exceções previstas em lei (por exemplo, se o devedor tiver se responsabilizado de forma expressa pelos prejuízos causados em eventos de força maior)”, explica.

E como sair dessas situações?

Para Molina, a melhor coisa é apostar no diálogo e em uma solução que seja viável para ambas as partes. “A solução ideal será sempre o acordo”.

Todos estamos passando pelas mesmas dificuldades e estamos cientes dos prejuízos decorrentes da pandemia”, afirma.

“Assim, converse com as empresas e pessoas com as quais contratou para que juntos possam ajustar prazos, demandas e entregas de produtos e serviços. Desse modo, permitindo a continuação da relação contratual”, finaliza o advogado.

E como fica a relação com o Governo?

A relação clássica de todo cidadão e empresários com o Governo é a tributária e desde a última semana várias medidas foram tomadas para minimizar os impactos, medidas que se aproveitadas poderá colaborar com o fluxo de caixa das empresas neste período.

Apesar disso, Molina diz que ainda outras medidas para área tributária deverão implantadas pelo Governo, especialmente para proteção dos empresários no momento posterior à crise.

 

Foto: Shutterstock

Fonte: Molina Advogados

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário