Destaques & lançamentos

Covid-19: boletim da Fiocruz aponta desafios para o próximo ano

Desinformação e novas variantes podem dificultar controle da doença

O surgimento de novas variantes do vírus SARS-CoV-2, o apagão de dados e a politização das medidas de enfrentamento da pandemia serão os desafios que o Brasil enfrentará em 2022 para controlar o avanço da Covid-19 no país, segundo análise está no Boletim do Observatório Covid-19 Fiocruz, divulgado nesta quinta-feira (23/12) pela Fundação Oswaldo Cruz, que traz também um balanço da pandemia no ano de 2021. O Brasil termina o ano com mais de 22 milhões de casos e 616 mil mortos pela doença.

O documento aponta a preocupação dos cientistas com o retorno quase completo de atividades laborais, educativas e recreativas de forma presencial, “que expõe direta ou indiretamente parte da população”.

“Com pequenas e importantes exceções, não estão sendo feitas campanhas pelo uso de máscaras e manutenção do distanciamento físico, o que pode levar à falsa ideia de que a pandemia esteja sob controle. Nas próximas semanas, serão realizadas festas familiares, comunitárias e mesmo alguns eventos de massa estão sendo programados”, diz o boletim.

Boletim da Fiocruz alerta sobre variantes

Uma das preocupações dos cientistas é o surgimento de variantes do novo coronavírus, como a Ômicron, identificada inicialmente na África do Sul e já presente no Brasil e em mais 90 países.

“É uma preocupação neste momento, por exemplo, que a propagação da variante Ômicron, combinada com a maior circulação de pessoas nas férias e festas de fim de ano, venha a potencializar o crescimento de casos, internações e óbitos, que podem terminar culminando em crises e colapso do sistema de saúde”, alerta o boletim.

Os cientistas destacam que o surgimento da variante Gama no fim do ano passado foi responsável pela segunda onda da COVID-19, pela qual o Brasil passou em março e abril últimos, quando o país chegou a registrar mais de 3 mil mortes por dia.

A variante Ômicron é responsável pelo recente aumento de casos de COVID-19 em países como Alemanha, Reino Unido, Estados Unidos e Rússia, que estão no inverno e já preveem que a variante será a dominante em breve.

Informação

O boletim da Fiocruz aponta também a vulnerabilidade dos sistemas de informações em saúde como um desafio a ser superado para enfrentar a pandemia. “As falhas na divulgação de dados sobre a pandemia não são só decorrentes do ataque hacker sofrido pelos portais e sites do Ministério da Saúde, mas combinam vulnerabilidades e fragilidades em todo o processo, que se inicia com preenchimento dos formulários nos estabelecimentos de saúde e municípios.”

Segundo o relatório, ocorreram atrasos e interrupções na divulgação de dados, o que impede “a produção de informações que são vitais para tomadas de decisão baseadas em evidências, resultando em condições semelhantes a situações como dirigir no escuro e sem faróis, ou pilotar um avião sem instrumentos de navegação”.

Como exemplo, o documento aponta uma diferença incompatível com o desenrolar da pandemia registros das primeiras semanas de dezembro. “A queda observada do número de casos registrados (5% ao dia) é incompatível com a dinâmica de transmissão da doença. Isso se pode confirmar pelo aumento abrupto da taxa de letalidade, que saltou de 2,5% para 4,2%, o que indica queda no número de casos, não acompanhada pelo número de óbitos, o que é resultado da subnotificação de grande parte dos casos nas últimas semanas”.

Politização

Para os cientistas, o terceiro desafio diz respeito à politização das medidas de enfrentamento da pandemia, que são vitais para a proteção da saúde e da vida da população. “Esse processo tem combinado a desvalorização de medidas preventivas fundamentais de proteção – como distanciamento físico e social, uso de máscaras e higienização das mãos – com a propagação organizada de fake news e a criação de um clima de descrédito e desconfiança em relação às vacinas.”

O boletim menciona os “inaceitáveis” ataques à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), seus diretores e funcionários, depois da aprovação do uso da vacina contra a Covid-19 em crianças.

Outros cuidados

O boletim reitera a recomendação da Fiocruz para que as crianças sejam vacinadas com a máxima urgência, medida que os cientistas consideram fundamental para controlar a doença em todas as faixas etárias. “A vacinação contra a COVID-19 em crianças tem papel importante na cadeia de transmissão, já que a ampliação da cobertura vacinal, além de reduzir o número de casos graves, reduz a circulação do vírus. Essa circulação reduzida também leva a menor chance de surgimento de novas variantes”, diz a publicação.

O boletim do Observatório COVID-19 Fiocruz destaca ainda o padrão de transmissão da doença estável em patamares altos e que, portanto, é necessário manter todos os cuidados sanitários recomendados, como respeitar o distanciamento físico, higienizar bem as mãos e continuar usando máscaras de proteção.

“Neste cenário complexo e carregado de incertezas, insistimos na necessidade de manter cautela frente à pandemia, reafirmando o princípio da precaução”, reitera o boletim da Fiocruz.

Fonte: Estado de Minas – MG

Foto: Shutterstock

Ômicron: maioria das vacinas provavelmente não impedirá infecção, mas pode evitar casos graves

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário