CRF-SP gera debate sobre assistência farmacêutica

Encontro discutiu a atuação desse profissional na rede pública

Para debater a atuação do farmacêutico na rede pública, especialmente focada na equipe multidisciplinar, o http://www.crfsp.org.br (CRF-SP) realizou, em parceria com a Bayer, na última quinta-feira (13), mais um Fórum Multidisciplinar Regional – Assistência Farmacêutica e Cuidados ao Paciente na Saúde Pública, no auditório do Centro de Atendimento Especializado na Saúde da Mulher (Caism), de São José do Rio Preto.

A primeira apresentação ficou a cargo do farmacêutico clínico e especialista em atenção farmacêutica, Dr. Rafael Cairê, que abordou a atuação do farmacêutico na equipe multidisciplinar e cuidado ao paciente. Ele destacou a importância do empoderamento deste profissional na equipe de saúde de forma a contribuir com o seu papel de maneira coordenada, de acordo com as próprias competências e habilidades. “Quando sabemos de fato qual é o nosso papel e o impacto do nosso trabalho, fica mais fácil de se trabalhar na equipe multiprofissional”, afirmou o farmacêutico.

“Não podemos esquecer que o farmacêutico é inserido na equipe quando existe um paciente usuário de medicamentos”, disse o Dr. Rafael, que mencionou também os dados alarmantes de internações no Sistema Único de Saúde (SUS) por problemas relacionados a medicamentos. A estimativa é de que, por ano, 1,2 a 3,2 milhões de pessoas sejam internadas por este motivo, gerando um gasto de R$ 1,3 a R$ 3,6 bilhões aos cofres públicos.

Na sequência, foi a vez da médica ginecologista e obstetra, Dra. Ercilene Yamaguti, palestrar no fórum de assistência farmacêutica. Ela falou sobre saúde da mulher, gravidez não planejada e o impacto no sistema de saúde, principalmente porque estima-se que de 6 a 7% da população feminina brasileira em idade reprodutiva esteja sem nenhum planejamento contraceptivo, o que corresponde a 3,5 a 4,2 milhões de mulheres.

“Entre 2006 e 2014, 55,4% das gravidezes ocorridas no Brasil não foram planejadas. Entre as adolescentes, este número sobe para 80%. E o pior: dessas, 30% acabaram engravidando novamente após o primeiro parto, também de forma não planejada. É um cenário que propicia uma série de consequências ruins”, explica a médica. Para os bebês, ela cita o baixo peso, vacinação incompleta, maior risco de mortalidade infantil e de parto prematuro como as ocorrências mais comuns. Já para as mães, a maior predisposição para violência doméstica e abortos ilegais estão entre os problemas mais frequentes.

Novo anticoagulante

A experiência de incorporação de um novo coagulante no Hospital de Servidor Público Estadual de São Paulo (Iamspe) foi detalhado pelo farmacêutico-chefe da mesma instituição, Dr. Luís Henrique Oliveira Rezende, durante o fórum de assistência farmacêutica. O medicamento em questão é a rivaroxabana nas dosagens de 10, 15 e 20 mg, tendo indicações na ortopedia (diminuição do risco de doenças tromboembolística após cirurgia); cirurgia vascular; doenças do aparelho respiratório (tratamento de tromboembolismo pulmonar) e cardiologia (acidente vascular cerebral e embolia sistêmica com fibrilação não valvar).

O farmacêutico destacou a importância da interação dos médicos com outros profissionais da equipe para o sucesso do tratamento, levando-se em conta que a não adesão à medicação pode trazer consequências graves, especialmente entre pacientes com doenças crônicas. “A integração da farmácia à equipe nos deixou muitas lições positivas, entre as quais protocolos bem definidos e revisados, maior conscientização dos profissionais envolvidos, participação ativa do farmacêutico, promoção do uso racional de medicamentos e economia para a instituição, afinal, temos de pensar que os recursos são finitos”.

Fonte: CRF-SP

Foto: Shutterstock

O novo papel do farmacêutico

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário