Dermatite atópica: 5 coisas que você precisa saber

Marcada pelo preconceito com as lesões na pele, a doença é causada por uma disfunção no sistema imunológico e não é transmitida de pessoa para pessoa

A dermatite atópica é uma doença crônica causada por um desequilíbrio no sistema imunológico, chamado de Inflamação Tipo 2, que gera inflamação nas camadas mais profundas da pele, resultando em lesões e coceira intensa. Tal característica aparente e marcante da doença está relacionada com a primeira informação que você precisa saber sobre a dermatite atópica:

Não é transmitida pelo contato entre as pessoas

Os sintomas visíveis são apenas parte da história. Há muito mais acontecendo abaixo da superfície da pele. A causa da dermatite atópica ainda é desconhecida, mas o que a ciência sabe hoje é que a doença decorre de defeitos herdados da função de barreira da pele e de uma disfunção no sistema imunológico, com predominância da resposta inflamatória do tipo 2. Ou seja, ao entrar em contato com um paciente com dermatite atópica, você não irá desenvolver a doença. Não existe contágio de uma pessoa para a outra.

A dermatite atópica pode acometer crianças, adolescentes e adultos

A dermatite atópica acomete até 20% das crianças e até 3% dos adultos. Por conta dessa grande incidência na infância, a doença normalmente é associada apenas às crianças. De fato, cerca de 85% dos pacientes apresentam os primeiros sinais da doença antes dos cinco anos e, aproximadamente 70% deles têm uma remissão espontânea antes da adolescência.

No entanto, apesar das manifestações iniciais ocorrerem na infância e da incidência diminuir com a idade, há situações em que a dermatite atópica surge em indivíduos adultos (um terço dos casos). Além disso, entre os adultos, a doença pode voltar a aparecer mesmo que haja ausência de sintomas por alguns anos.

Pode levar a faltas no trabalho e na escola

A doença apresenta graus que variam de leve, moderado a grave. Os casos moderados e graves são os menos comuns, porém os que causam maior impacto físico, emocional e consequentemente na qualidade de vida dos os pacientes. Uma pesquisa realizada em 2018 pelo Instituto Ipsos com 199 pacientes adultos com dermatite atópica moderada a grave revelou que estes faltam no trabalho cerca de 21 dias por ano devido aos sintomas da doença, contabilizando um mês de trabalho.

Contudo, nos adolescentes, a associação de uma doença crônica com os já encontrados desafios da transição para a vida adulta pode estabelecer sensações de fracasso, raiva, perda da autoestima, dificuldades para se relacionar com outras pessoas e medo. Pesquisas revelam que adolescentes entre 14 a 17 anos perdem em média 26 dias escolares por conta da dermatite atópica.

Está relacionada a depressão e bullying

Ainda de acordo com a pesquisa do Instituto Ipsos, feita a pedido da05 Sanofi em parceria com a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai) e com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD)35% dos pacientes com dermatite atópica já sofreram algum tipo de preconceito. A discriminação ocorre em ambientes variados, como no transporte coletivo (49%), no local de trabalho (44%) e em escolas ou faculdades (34%). Além disso, 1 em cada 10 entrevistados já perderam a vontade de viver em decorrência da doença.

Além disso, quadros de depressão estão presentes em mais da metade (52%) dos adolescentes com dermatite atópica e 39% deles relatam ter sido vítimas de bullying por causa da doença em algum momento da vida. Durante as crises, 50% dos adolescentes com dermatite atópica se preocupam sobre serem vistos em público e 36% dizem que têm sua autoconfiança abalada.

Corticoides não são o único tratamento possível 

A dermatite atópica pode ser tratada com cremes hidratantes específicos e medicamentos tópicos, incluindo corticoides. Entretanto, alguns pacientes não respondem a terapias tópicas ou não têm recomendação para utilizá-las. Neste cenário, o arsenal terapêutico até o ano passado era limitado para o tratamento eficaz e seguro a longo prazo, principalmente no caso de pacientes adultos que convivem com a doença por muitos anos, em geral por mais de 25 anos, e representam a maior população de pacientes graves.

Desde 2019, pacientes adultos e adolescentes entre 12 e 17 anos com dermatite atópica moderada a grave têm uma nova opção de tratamento. Dupixent® (dupilumabe), o primeiro da classe de biológicos para a dermatite atópica. Dupixent® (dupilumabe) é indicado quando a doença não é adequadamente controlada com tratamentos tópicos ou quando estes não são aconselhados. Ao contrário dos tratamentos sistêmicos anteriormente disponíveis para tais casos da doença, dupilumabe tem perfil de eficácia e segurança superior a longo prazo.

Foto: Shutterstock

Fonte: Sanofi Genzyme

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário