Dermatite atópica pode comprometer aprendizagem das crianças

A dermatite atópica é uma doença crônica e com predisposição genética, causada por uma resposta exagerada do sistema imunológico

O dia 23 de setembro é lembrado como Dia da Conscientização da Dermatite Atópica, doença causada por um desbalanço na resposta imunológica e que afeta de 10% a 20% das crianças em idade escolar.

Portanto, pode contribuir no comprometimento da aprendizagem, dificuldades sociais, familiares e ainda levar a mudanças de humor e personalidade.

A doença apresenta, portanto, graus que variam entre leve, moderado e grave.

Os casos moderados e graves são os que causam maior impacto físico e emocional para os pacientes.

Tal impacto, por exemplo, está relacionado as lesões visíveis na pele, bem como ao prurido e suas consequências, como distúrbios do sono.

Uma pesquisa realizada com pacientes de 5 a 16 anos, de um serviço de Dermatologia da região sul do Brasil, avaliou crianças e adolescentes, sendo que 30% deles possuíam dermatite atópica como diagnóstico nas consultas dermatológicas.

Aqueles que possuíam alguma doença crônica tiveram, portanto, 2,5 vezes mais a qualidade de vida impactada, sendo a esfera dos sentimentos e das relações pessoais a mais afetada.

Sintomas

A coceira é o principal sintoma da dermatite atópica. Ela muda a aparência da pele, gerando, assim, possíveis transtornos de autoestima, bullying e redução da socialização.

“Além disso, é extremamente desconfortável. Assim, sendo capaz de afetar o sono também dos familiares responsáveis pelas noites da criança”, explica a médica dermatologista e professora da Universidade Federal de Goiás (UFG), Mayra Ianhez.

Estudos revelam que distúrbios do sono associados atingem até 60% das crianças com dermatite atópica, assim, chegando a 83% durante as crises da doença.

Impactos

A falta de sono que atinge os pais pode até ser comparada com a de familiares de crianças autistas ou que têm convulsões.

Segundo a dermatologista, os pais da criança com dermatite atópica têm sentimentos de exaustão, frustração, desamparo e culpa.

Assim, há maior probabilidade de instabilidade no casamento e também no relacionamento com outros entes familiares.

“Há um ciclo de consequências para os pais também, pois se ausentam mais do trabalho, têm menos atividades sociais, se estressam mais com o cuidado com a criança e têm mais desafios relacionados à disciplina”, destaca.

Os pais também sofrem

O cuidado durante a noite com o filho pode ser bem complexo, ainda que consigam fazê-lo pegar novamente no sono após a crise de prurido.

Cerca de 41% dos pais disseram continuar acordados mesmo após a criança voltar a dormir, assim, resultando em perda de sono de 1 a 3 horas por noite.

A doença e o tratamento

A dermatite atópica é uma doença crônica e com predisposição genética, causada por uma resposta exagerada do sistema imunológico, chamada de Inflamação Tipo 2.

Na prática, o paciente predisposto geneticamente e com fatores ambientais que propiciam a piora da doença – tais como ressecamento da pele e o contato com substâncias irritantes ou alergênicas – ativa uma reação inflamatória.

Mais de 50% das crianças afetadas podem ficar livres da doença ao longo do tempo.

Entretanto, a outra metade pode evoluir com a doença na idade adulta, especialmente para os casos mais graves.

Por exemplo, e se for acompanhada de outras doenças, como a asma e a rinite alérgica.

Para os casos crônicos e recorrentes, esquemas terapêuticos apropriados para a gravidade de cada paciente devem ser seguidos.

Tratamento

O cuidado mais básico e indicado para todos os casos, de leves a graves, é a hidratação da pele.

Essa medida simples promove, assim, a umidificação da sua camada mais externa estabilizando-a como barreira protetora.

Além das medidas de cuidados básicos, o médico pode, ainda, receitar tratamentos tópicos ou sistêmicos, incluindo corticoides, fototerapia, imunossupressores e medicamento biológico, conforme a gravidade da doença.

Foto: Shutterstock

Fonte: Sanofi

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário