Dermatologista alerta para doenças de pele que mais aparecem no outono

Veja quais são e como evitar que essas enfermidades incomodem nos meses frios do ano

A queda no termômetro pode trazer algumas doenças na nossa pele, que fica bem mais sensível no outono, por exemplo.

A umidade relativa do ar cai, o que favorece o ressecamento. E certos comportamentos, como tomar banho quente e prolongado, pioram a situação.

A dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Dra. Maria Paula Del Nero, explica que a hidratação é responsabilidade de uma camada de gordura que reveste a pele.

E o ressecamento danifica essa barreira protetora, abrindo caminho para infecções, inflamações e infecções. A seguir, saiba quais são as doenças que mais se aproveitam dessa fragilidade e como preveni-las.

Dermatite seborreica

A popular caspa atinge especialmente a cabeça, mas pode chegar também a outras regiões peludas, como axilas, peitoral e costas. Aqui, a questão não é o ressecamento, mas o oposto dele.

É que, para compensar a secura e a temperatura quente do chuveiro, as glândulas sebáceas da pele produzem mais oleosidade.

“E isso é sentido onde temos mais fios, pois é ali que tais glândulas estão presentes em maior quantidade”, ensina a dermatologista.

Para piorar, um fungo oportunista se alimenta desse sebo e se multiplica, agravando a inflamação local e provocando coceira – além das famosas cascas brancas.

Para evitar, o ideal é lavar e secar o cabelo constantemente em temperatura morna. Se for o caso, com xampus especiais. Fuja das toucas, gorros e bonés, que favorecem a oleosidade.

Dermatite atópica

A mais clássica do outono/inverno, capaz de atingir até 10% das crianças, especialmente as que têm outras alergias, como rinite, bronquite e sinusite. Mas, pode também aparecer em adultos.

Sintomas são pele avermelhada, coceira, prurido e descamação. Eles são mais notados nas regiões das dobras, como atrás do joelho.

“A dermatite que mais piora com o ressecamento e o banho quente e prolongado, pois a perda da barreira protetora deixa a pele suscetível a agentes irritantes, como aditivos químicos”, aponta Dra. Maria Paula.

Em pessoas que já são sensíveis, essas agressões podem facilitar as crises de dermatite. Então, o segredo é hidratar muito a pele, às vezes com produtos específicos.

Atenção! A médica explica ainda que se o hidratante comum causar ardência é sinal de que algo está errado.

Portanto, a recomendação é fugir de produtos muito coloridos ou cheirosos demais – sinais de que podem conter aditivos químicos em excesso.

Dependendo da extensão do quadro, é preciso, então, passar antialérgicos e até tomar remédio.

Psoríase

O mal é a falta de sol, que alivia as crises de quem sofre com a doença crônica.

Por isso, o jeito é procurar manter a exposição sempre que possível – fora dos horários de risco para o câncer de pele, claro – e buscar, portanto, outros tipos de tratamento.

Mas, como a falta de hidratação piora a coceira – um dos incômodos associados à psoríase além de suas placas avermelhadas – o ideal, então, é seguir as orientações gerais e manter a pele bem nutrida.

Ictiose vulgar

Mais rara, ela é uma manifestação extrema da pele seca. A derme fica mais grossa, descamativa e craquelada – o aspecto pode até lembrar escama de peixe.

Acomete especialmente pessoas de mais idade, pois com o tempo perdemos parte da camada protetora da pele.

Logo, idosos devem investir em cuidados especiais.

“O ideal, então, é passar o hidratante logo depois do banho e, se a pele estiver muito ressecada, até mais de uma vez ao dia”, completa a médica.

Já a ducha diária precisa ser rápida (no máximo, deve durar sete minutos) e morna – com temperatura de até 37ºC, o equivalente à temperatura corporal.

Dessa maneira, esses hábitos, vale para todos, assim como a delicadeza na hora de passar sabonete no corpo – buchas e esfoliantes nessa época não são indicados.

Como manter uma rotina de cuidados com a pele? 

Fonte: Dra. Maria Paula Del Nero, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário