Desafios da inovação no setor farmacêutico brasileiro

No Brasil, o setor farmacêutico e de saúde ainda enfrentam muitos desafios para inovar. A burocracia e a falta de incentivo aos projetos influenciam negativamente nessa jornada

Apesar de já existirem iniciativas de sucesso, o ambiente de inovação no Brasil não é dos mais fáceis, quando comparado a outros países, inclusive no setor farmacêutico. No Vale do Silício, nos Estados Unidos, considerado berço da inovação no mundo, a mentalidade disruptiva é lei. Os profissionais que ali atuam não se conformam com o modelo atual das coisas. Além disso, eles têm apoio para pensar além do óbvio.

“Duas grandes universidades da região, Stanford e Berkley, são voltadas a formar pessoas interessadas em novos modelos de negócios. Além disso, há um investimento farto em novas ideias porque os empreendedores que já tiverem sucesso voltam a investir em startups da região. O dinheiro retroalimenta esse sistema de inovação”, descreveu o médico e sócio da I9MED Point of Care, Carlos Ballarati.

Entretanto, no Brasil o cenário é diferente. Inovar ainda é difícil e o ecossistema é imaturo. “Existe dinheiro, mas faltam bons projetos. Além disso, somos avessos ao fracasso. O capital tem medo do risco e procura startups mais estruturadas. A educação falha e as universidades com mentalidade retrógrada fazem com que tenhamos pouca afinidade com a disrupção”, complementou Ballarati.

Inovação no Brasil

Quando se trata de inovação em saúde, a dificuldade em inovar é ainda maior. Isso porque os profissionais do setor são treinados para minimizar riscos, enquanto que inovar funciona em lógica oposta. Além de combater essa mentalidade, é preciso ainda ficar atento às questões regulatórias que envolvem as novas tecnologias.

De acordo com a advogada e gerente de produtos do Dr. Consulta, Lara Garcia, tecnicamente não há nenhuma lei que fale sobre telemedicina ou e-saúde. Porém, diversas entidades já se pronunciaram sobre o tema. “Em 2015, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um documento em que reconhece o mobile health como o futuro da saúde. Além disso, publicou também um pacote de estratégias com o passo a passo que os países deveriam seguir para inserir a tecnologia na saúde”, conta.

Pelo menos 32 nações seguiram as recomendações e lançaram documentos com estratégias, inclusive o Brasil. Em 2014 o País divulgou o documento Estratégia de e-saúde para o Brasil. “Ali, recomenda-se que o Sistema Único de Saúde (SUS) incorpore o acompanhamento a distância para gestantes e doentes crônicos. Não é lei, nem política pública, é manifestação de vontade”, destacou Lara.

A jornada da inovação no setor farmacêutico no Brasil e em outros países será um dos temas abordados no Summit Inovação em Saúde. O evento realizado pela Contento Comunicação em parceria com o Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sindusfarma), acontecerá em São Paulo (SP), no dia 08 de outubro de 2019.

Summit Inovação em Saúde

Data: 08 de outubro de 2019
Horário: 8h30 às 18h30
Local: Alameda Vicente Pinzon, 54 – Vila Olímpia, São Paulo – SP.
Inscrições e outras informações: summitsaude.com.br

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário