Dezembro Vermelho conscientiza sobre a prevenção e tratamento ao HIV/Aids

Na Campanha Dezembro Vermelho, a médica do Cejam fala sobre a necessidade das ações de prevenção contra HIV/Aids e aponta 4 medidas a serem seguidas pelos portadores da doença

Em todo mês de dezembro é realizada a campanha Dezembro vermelho para conscientizar as pessoas sobre o vírus HIV/Aids.

O número crescente de novos infectados pelo vírus HIV chama, portanto, a atenção das entidades de saúde.

Os dados do último Boletim Epidemiológico HIV/Aids, divulgado pelo Ministério da Saúde, mostram que, de 2007 até junho de 2020, mais de 342 mil casos de infecção pelo HIV foram notificados, assim, sendo 152 mil na região Sudeste.

De acordo com a médica infectologista do Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim” (CEJAM), Karla Katrinne, a transmissão do HIV ocorre por meio de relações sexuais desprotegidas, pelo compartilhamento de seringas, materiais perfuro cortantes contaminados e não esterilizados, assim como através da transmissão vertical durante a gravidez, parto e/ou amamentação, quando não tomadas as devidas medidas de prevenção.

Campanha Dezembro Vermelho alerta sobre HIV

A especialista destaca, ainda,  a importância das ações de prevenção devido ao número de novos casos em homens jovens e populações chaves, isto é, gays e outros homens que fazem sexo com homens (HSH), pessoas trans, pessoas que fazem uso de álcool e outras drogas, pessoas privadas de liberdade e trabalhadores(as) sexuais.

Vale destacar que os sintomas causados pelo HIV são semelhantes a qualquer outra infecção viral.

A médica explica, ainda, que não há um sintoma definidor, por isso é recomendado que todas as pessoas que passaram por uma situação de risco (exposição sexual sem preservativo, compartilhamento de agulhas, etc.), realizem teste de triagem para HIV e demais DST’s, visando, assim, o diagnóstico precoce e, certamente, a diminuição na transmissão.

Diagnóstico e tratamento

Desde 2013, o Sistema Único de Saúde (SUS) garante tratamento para todas as pessoas vivendo com HIV (PVHIV), independentemente da carga viral, assim, tornando o País uma referência mundial no assunto.

No SUS, o tratamento é realizado pelo Serviço de Assistência Especializada em HIV/Aids.

São disponibilizadas, então, consultas médicas, de enfermagem e psicológicas, além de serviço social, coleta de exames, medicamentos antirretrovirais (TARV), preservativos e testagem para HIV e outras DST’s.

Dia Mundial de Combate à Aids

Instituída pela Assembleia Mundial de Saúde em 1987, a data de 1º de dezembro é marcada como Dia Mundial de Combate à Aids.

O objetivo é, portanto, sensibilizar a população para o tema, reforçando a solidariedade, tolerância, compaixão e a compreensão com as pessoas infectadas.

A especialista do Cejam recomenda 4 medidas básicas de prevenção, que devem ser seguidas pelos portadores da doença:

  1. Realização do tratamento regular com antirretrovirais.
  2. Uso de preservativos durante as relações sexuais.
  3. Não compartilhar seringas, agulhas, bem como alicates ou qualquer objeto perfuro cortantes.
  4. Utilização dos antirretrovirais durante a gestação para prevenir a transmissão vertical e não amamentar.

Pesquisadores testam medicamentos para HIV e hepatite C contra Covid-19

Dezembro vermelho: mitos e verdades sobre HIV e Aids 

Fonte: Cejam

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário