Dezembro vermelho: mitos e verdades sobre HIV e Aids

A campanha dezembro vermelho é dedicada a ampliar a divulgação de informações sobre a doença e reforçar a solidariedade às pessoas portadoras do vírus

A campanha Dezembro Vermelho, criada pela Organização das Nações Unidas (ONU), surgiu para lembrar a importância da luta contra a Aids e transmitir compreensão, solidariedade e apoio aos portadores do vírus HIV. A doença foi descoberta em 1984 e, devido a evolução da ciência, muita coisa mudou. Contudo, apesar do tempo e da qualidade de vida do portador de HIV ter aumentado significativamente, o HIV ainda não tem cura.

Para esclarecer as dez principais dúvidas sobre o tema, o infectologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão Saúde, Dr. Jorge Garcia, esclarece os mitos e verdades em relação ao vírus HIV e a AIDS:

AIDS e HIV são a mesma coisa?

Mito. HIV é a sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana, causador da Aids. Nos primeiros anos da doença a pessoa convive com o vírus sem ter manifestações dela. Como o vírus ataca o sistema imunológico, principalmente as células CD4, as defesas ficam baixas e deixam o organismo vulnerável a diversas doenças. As pessoas que vivem com a Aids têm o estágio mais avançado da doença, que ataca o sistema imunológico e é causada pelo vírus do HIV.

A Aids só pode ser transmitida através do sangue ou contato sexual?

Mito. A forma de contágio do HIV se dá por meio da troca de fluidos corporais como, por exemplo, sangue, sêmen, secreções vaginais e leite materno. Saliva, urina, lágrimas, fezes e suor são considerados fluídos não infectantes. O contágio não acontece por meio de interações comuns como abraçar, beijar, dividir objetos ou alimentos.

Mulheres soropositivas podem engravidar sem que o vírus HIV seja transmitido?

Verdade. Atualmente o acesso universal aos antirretrovirais permite que mulheres soropositivas vivendo ou não com AIDS, possam engravidar. O mais importante é o planejamento da gravidez com o médico que realiza o acompanhamento da mulher. Isso porque existem medidas que devem ser avaliadas para minimizar o risco para o parceiro e para diminuir as chances de transmissão para o bebê durante a gestação, no parto e pós-parto.

Todo bebê de uma mulher com HIV já nasce com o vírus.

Mito. Hoje em dia, o risco de o bebê nascer com o vírus do HIV é extremamente baixo desde que a gestante tenha feito o planejamento da gestação, pré-natal correto, seu estado imune e tenha feito o uso de antirretrovirais avaliado durante todo o processo pelo médico.

Se durante o sexo oral a pessoa tiver alguma afta ou outra ferida na boca pode contrair o vírus?

Mito. A possibilidade de transmissão do HIV em sexo oral feito em uma pessoa vivendo com HIV é muito baixa. É estimado que o risco de uma pessoa contrair HIV pelo sexo oral receptivo é de um em dez mil, entretanto, a chance de contrair o HIV aumenta em caso de ejaculação na boca. Nunca se deve esquecer que existem outras doenças de transmissão sexual que podem ser adquiridas através do sexo oral, e o uso da camisinha é muito importante na prevenção.

Posso ser infectado por usar sabonete, toalha, lençóis, talheres ou roupa íntima de uma pessoa soropositiva?

Mito. O risco existe com a troca de fluídos corporais como, por exemplo, sangue, sêmen, secreções vaginais e leite materno.

O exame de HIV detecta o vírus logo no início?

Mito. Existe um período chamado de janela imunológica, geralmente nos primeiros 30 dias após o contágio.

Quem tem HIV não precisa usar camisinha se o parceiro também tiver o vírus?

Mito. Devem usar camisinha sim. O vírus do HIV apresenta uma diversidade genética importante, tipos, subtipos e vírus recombinantes. Desse modo, o sexo sem proteção pode facilitar o risco de transmissão de outros subtipos, vírus resistentes, além do risco de outras doenças de transmissão sexual.

É possível contrair o vírus através de brinquedos sexuais?

Verdade. É raro, porém, existem relatos de casos de transmissão da doença por compartilhamento de acessórios eróticos.

Aids mata?

Verdade. A principal causa é o diagnóstico tardio da doença. É muito importante realizar teste de HIV para descobrir a doença precocemente e poder realizar o acompanhamento e tratamento adequado. Além disso, é importante lembrar que a Aids não está relacionada à orientação sexual ou identidade de gênero.

Foto: Shutterstock
Fonte: Grupo São Cristóvão Saúde

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário