Dia do Farmacêutico: CRF/RS reforça a importância da capacitação

Confira a entrevista exclusiva com a presidente do Conselho Regional de Farmácia do Rio Grande do Sul (CRF/RS), Silvana Furquim

O Dia do Farmacêutico é comemorado no dia 20 de janeiro no Brasil e, para celebrar a data, o portal Guia da Farmácia preparou entrevistas exclusivas com conselhos de farmácia para falar sobre os aprendizados da Covid-19, e o Conselho Regional de Farmácia do Rio Grande do Sul (CRF/RS) foi um dos convidados.

Assim, em entrevista exclusiva, a presidente do CRF/RS, Silvana Furquim, reforça, neste Dia do Farmacêutico, a importância da capacitação na área.

“A qualidade dos serviços oferecidos por uma empresa requer práticas contínuas para a garantia desta qualidade. Elas envolvem todos os atores da companhia: proprietários, sócios, gerentes, farmacêuticos, colaboradores, bem como terceirizados e assessorias”, diz.

GUIA DA FARMÁCIA – Neste Dia do Farmacêutico, como o CRF/RS enxerga os desafios impostos aos farmacêuticos diante da pandemia da Covid-19? Como mudou a rotina desses profissionais?

SILVANA FURQUIM – Acreditamos que, entre os principais desafios enfrentados pelos farmacêuticos, esteve o fortalecimento de sua autoridade técnica em seus locais de trabalho, para:

a) estruturação de medidas sanitárias efetivas para o enfrentamento da pandemia da Covid-19 de acordo com os protocolos de segurança vigentes;

b) cumprimento da legislação sanitária sobre receituários digitais;

c) atualização e cumprimento frente às contínuas adequações das regras sanitárias para dispensação de medicamentos cujas receitas necessitavam retenção;

d)  e a garantia da racionalidade de acesso e utilização de medicamentos durante a pandemia.

GUIA – A população passa a ter um novo olhar para esses profissionais e para as farmácias como um estabelecimento de saúde?

SILVANA – Sim, desde que a população mantenha acesso aos serviços realizados pelo farmacêutico e pela sua equipe.

Para tanto, é necessário que a farmácia possua número suficiente de farmacêuticos para atendimento das necessidades desta população, bem como possua uma equipe com formação técnica suficiente para auxiliar o farmacêutico.

GUIA – Como a transformação digital têm impactado e ainda devem impactar a rotina dos profissionais da farmácia?

SILVANA – Acreditamos que um dos impactos de maior relevância é que esta transformação garanta segurança sanitária suficiente para o acesso, dispensação e utilização dos medicamentos, de modo que sejam utilizados com racionalidade e, assim, contribuam à preservação da saúde do paciente.

GUIA – De que forma a telemedicina e a prescrição digital se tornaram uma realidade para as farmácias? Quais os benefícios e riscos dessas mudanças?

SILVANA – A telemedicina e a prescrição digital são uma realidade, e a forma como isto aconteceu ocorreu por demanda de atendimento a pacientes durante a pandemia, como maneira de diminuir os riscos de contaminação e contágio pelo novo Coronavírus.

Entre os benefícios, pode-se citar a maior facilidade ao acesso ao serviço médico para diagnóstico e acompanhamento clínico, e a obtenção de receituário contendo medicamentos e atestados, em geral, eletrônicos.

Já entre os riscos, pode-se mencionar a dificuldade do médico para verificação da condição clínica do paciente, bem como a emissão de atestados e receitas digitais que não atendam os requisitos de segurança e validação exigidas.

GUIA – Com a esperada atualização da RDC 44/09, quais novas responsabilidades se pode esperar dos profissionais farmacêuticos? Esses profissionais estão preparados para elas?

SILVANA – Naturalmente, é esperado que estas responsabilidades adicionais estejam sob a tutela técnica do farmacêutico, pois ele detém o conjunto de conhecimento e habilidades para seu exercício na farmácia.

No entanto, será necessário que a farmácia possua farmacêuticos em número suficiente para a demanda esperada e possua equipe de apoio ao farmacêutico, com formação técnica adequada para atuação auxiliar no atendimento, na dispensação, e no cuidado farmacêutico.

GUIA – Qual a importância da atualização, capacitação e treinamentos constantes desses profissionais?

SILVANA – A qualidade dos serviços oferecidos por uma empresa requer práticas contínuas para a garantia desta qualidade.

Elas envolvem todos os atores da empresa: proprietários, sócios, gerentes, farmacêuticos, colaboradores, bem como terceirizados e assessorias. Assim, não sendo diferente para as farmácias.

A importância deste processo ao farmacêutico é evidente, pois ele é o profissional referência na farmácia para a garantia da qualidade.

GUIA – Qual a importância que os farmacêuticos ganharam no incentivo continuidade de um tratamento ou mesmo no autocuidado dos consumidores?

SILVANA – A importância está no fato de que o farmacêutico sempre esteve mais próximo do paciente e do consumidor, em relação ao prescritor.

Esta proximidade facilita ao farmacêutico, por exemplo, selecionar pacientes para acompanhamento da terapia prescrita; verificar sua evolução clínica; bem como propor ao prescritor adequações à prescrição original para melhorar a racionalidade de uso do medicamento.

GUIA – Na sua visão, qual o perfil que os profissionais que atuam hoje no varejo farmacêutico precisam ter?

SILVANA – O farmacêutico necessita possuir o perfil de farmacêutico: profissional de saúde referência no segmento de farmácia. Assim, possibilitando a garantia das boas práticas realizadas nos estabelecimentos deste segmento.

Para tanto, necessita de conhecimento, habilidades e competências sobre processos da liderança, da gestão, da qualidade, das ciências farmacêuticas (entre as quais o cuidado farmacêutico), bem como do marketing e do empreendedorismo, entre outros tantos processos.

GUIA – Quais foram as principais conquistas do CRF/RS em 2020?

SILVANA – Manter-se como uma instituição de fiscalização do exercício profissional engajada com ações propositivas para a prevenção do contágio do novo Coronavírus na população, como os materiais técnicos produzidos e orientações realizadas durante as inspeções.

Também são conquistas as ações inovadoras, como na estruturação da plataforma eletrônica com o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Medicina do Rio Grande do Sul (CREMERS) para emissão de atestados e receitas digitais.

GUIA – Neste Dia do Farmacêutico, conte-nos quais devem ser as maiores lutas e desafios do CRF/RS para 2021?

SILVANA – Manter a assistência farmacêutica efetiva nos estabelecimentos do Estado é prioridade. Seguiremos com investimentos em tecnologia e gestão para qualificar e avançar os serviços prestados pelo Conselho. Isso  sempre no intuito de agilizar o atendimento oferecido à categoria.

Além disso, daremos sequência às capacitações profissionais que realizamos e nos manteremos atentos ao debate público sobre a qualidade do ensino. Assim, tendo em vista o avanço dos cursos a distância.

Nosso trabalho também visa defender e fomentar todas as áreas de atuação do farmacêutico, protegendo os interesses da categoria e a saúde da população.

Fonte: Guia da Farmácia

Foto: divulgação CRF/RS

O papel dos farmacêuticos como agentes de saúde da comunidade

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Sobre o colunista

Jornalista, redatora de textos SEO, especializada no setor farmacêutico.

Deixe um comentário