Dia Mundial Contra o Câncer: autoexame da pele aumenta chance de cura do melanoma

Entenda como fazer o autoexame do câncer de pele, quais sinais ficar atento e como isso pode auxiliar na rapidez do diagnóstico e na cura da doença

Hoje, dia 4 de fevereiro, é o Dia Mundial contra o Câncer, o que nos lembra que é necessário ficar atento diariamente aos sinais que aparecem no corpo, principalmente as pintas (nevos melanocíticos), considerados potenciais precursores do melanoma – o tipo de câncer de pele com o pior prognóstico e o mais alto índice de mortalidade. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), apesar de não ser o mais frequente câncer de pele, no ano de 2019 são estimados 2.920 casos novos em homens e 3.340 casos novos em mulheres.

“Embora o melanoma possa estar ligado a herança genética, fatores ambientais como a exposição solar  influenciam no aparecimento da doença — principalmente com os elevados índices de radiação que atingem níveis considerados potencialmente cancerígenos. Por isso, é importante ficarmos atentos ao aparecimento e mudanças de pintas através do autoexame da pele. O excesso de exposição solar promove mutação no DNA das células da pele que passam a se multiplicar de forma desordenada”, afirma o cirurgião plástico, Dr. Mário Farinazzo.

De acordo com o médico, as pintas são pequenas manchas marrons regulares na pele, salientes ou não. “De forma geral, a maioria das pintas possui um formato regular. Mas existem as pintas atípicas (ou nevos displásicos), não usuais que podem parecer um melanoma. As lesões são maiores, irregulares no formato e possui vários tons”, afirma o médico. De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, pesquisas afirmam que pessoas com dez ou mais nevos displásicos possuem 12 vezes mais chance de desenvolver o melanoma, tipo mais agressivo de câncer da pele.

Autoexame auxilia na cura do melanoma

O cirurgião plástico explica que, no autoexame da pele, é necessário estar atento à regra ABCDE. Para diferenciar a presença de nevos displásicos e as pintas normais, é feita a regra A (assimetria), B (borda irregular ou mal deliminada), C (cor variável), D (diâmetro maior que seis milímetros) e E (evolução anormal).

“A assimetria é vista quando dividimos em dois lados e eles são diferentes. A borda irregular de uma pinta é notada quando ela não tem um formato definido (as normais são redondas). Quanto à cor em pintas suspeitas, ela tem tons mais escuros e mais claros na mesma lesão. E com relação à evolução anormal, pode ser uma modificação com crescimento, ou alteração da cor e formato ou então coceira ou sangramento”, diz o médico. “Se alguma pinta apresentar qualquer uma das alterações, procure um médico para esclarecer a necessidade de remoção cirúrgica ou não”, diz.

O que observar no autoexame

  • Examine seu rosto, principalmente o nariz, lábios, boca e orelhas.
  • Para facilitar o exame do couro cabeludo, separe os fios com um pente ou use o secador para melhor visibilidade. Se houver necessidade, peça ajuda a alguém.
  • Preste atenção nas mãos, também entre os dedos.
  • Levante os braços, para olhar as axilas, antebraços, cotovelos, virando dos dois lados, com a ajuda de um espelho de alta qualidade.
  • Foque no pescoço, peito e tórax. As mulheres também devem levantar os seios para prestar atenção aos sinais onde fica o soutien. Olhe também a nuca e por trás das orelhas.
  • De costas para um espelho de corpo inteiro, use outro para olhar com atenção os ombros, as costas, nádegas e pernas.
  • Sentada (o), olhe a parte interna das coxas, bem como a área genital.
  • Na mesma posição, olhe os tornozelos, o espaço entre os dedos, bem como a sola dos pés.

De acordo com o médico, um adulto jovem possui entre 10 e 20 pintas, elevadas ou não, com formato simétrico, borda regular, cor uniforme e diâmetro menor que 6mm. “As pintas concentram-se mais nas áreas expostas ao sol. Pacientes de pele clara, com familiares que já tiveram câncer de pele e que tenham mais de 50 pintas devem atentar-se ainda mais aos sinais”, diz o médico. “Além disso, pintas que surgem próximas a tatuagens ou na palma da mão e sola do pé são mais preocupantes e geralmente devem ser retiradas”, explica o Dr. Mário.

Procure um médico

Quando o paciente, após o autoexame, detectar algum sinal suspeito, ele pode procurar um dermatologista ou cirurgião plástico, que poderá indicar o paciente para cirurgia. “O procedimento cirúrgico é realizado com anestesia local e a pinta é retirada e enviada para análise. Logo em seguida, a incisão é fechada com pontos”, diz o médico. “No caso de um melanoma avançado, que já se espalhou para outras partes do corpo, as opções de tratamento incluem quimioterapia, radioterapia, imunoterapia, ou cirurgia. A resposta ao tratamento, nestes estágios mais avançados, é muito variável”, enfatiza.

Por fim, o médico esclarece que embora o diagnóstico de melanoma normalmente possa trazer medo e apreensão aos pacientes, as chances de cura são de mais de 90%, quando há detecção precoce da doença, de acordo com a SBD. “Por isso, a realização do autoexame dermatológico é fundamental”, finaliza o médico.

 

Quando é apenas uma pinta ou um sinal de câncer de pele?
Foto: Shutterstock

Fonte: Dr. Mário Farinazzo

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário