Dia Mundial da Saúde Ocular: 60% dos casos de cegueira podem ser evitados

A Doença Macular Relacionada à Idade (DMRI) é a maior causa de cegueira em pessoas com mais de 50 anos

Existem diversas causas que podem levar uma pessoa à perda parcial ou total da visão: degeneração macular relacionada à idade (DMRI), glaucoma, cataratas, edema macular diabético e erros de refração não corrigidos são algumas das mais comuns. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), aproximadamente 2,2 bilhões de pessoas sofrem com algum distúrbio ocular, sendo que, 1 bilhão desses casos poderiam ter sido evitados, ou ainda precisam de tratamento. Por isso, neste dia 10 de julho, Dia Mundial da Saúde Ocular, alertamos para os cuidados e atenção que devemos ter com a visão.

Com a pandemia do novo coronavírus, as regras de distanciamento social e quarentena forçaram a população a ficar em casa por um longo período, o que provocou reações diferentes nas pessoas. Um dos efeitos dessa nova realidade é o medo que foi instaurado devido à rápida disseminação do vírus. Esse sentimento pode ser benéfico em alguns casos, pois é um mecanismo de proteção do corpo, porém, em muitos casos, o medo pode gerar consequências mais graves, especialmente, se o paciente está em tratamento para alguma doença crônica. No caso de pacientes com problemas de visão, o receio de sair de casa para ir ao médico ou continuar um tratamento, pode acarretar problemas irreversíveis, como a cegueira.

Saúde ocular

Sérgio Pimentel, médico oftalmologista e chefe do serviço de retina do Departamento de Oftalmologia da HCFMUSP, afirma que as pessoas não devem deixar de ir ao oftalmologista. “O ideal é que todos visitem seu médico pelo menos uma vez ao ano, ou com maior frequência, dependendo do caso. Além disso, outra recomendação é não parar um tratamento por conta própria. Porém, durante a pandemia foi possível notar uma queda acentuada nos atendimentos oftalmológicos, o que é preocupante, uma grande parte dos casos de cegueira podem ser evitados se diagnosticados e tratados precocemente,” esclarece o oftalmologista. “Por isso, ao perceber qualquer sintoma nos olhos, é importante buscar ajuda médica”, ressalta.

Outra tendência observada durante esse período foi o aumento no consumo de informação online, o que significa um tempo considerável em frente a computadores, smartphones e tablets. Uma pesquisa da Universidade Federal do Espírito Santo mostrou que 29,2% dos respondentes têm jornadas, de estudo ou trabalho, de até quatro horas diárias e 30,6% dedicam de quatro a oito horas por dia em frente a telas.

Riscos do uso contínuo de aparelhos eletrônicos

Em resposta, a Sociedade Brasileira de Oftalmologia publicou nota alertando a população dos riscos trazidos pelo uso contínuo de aparelhos eletrônicos. De acordo com a nota, “a Síndrome Visual Relacionada a Computadores (SVRC) provoca uma série de sintomas visuais, entre os quais cansaço, sensação de corpo estranho, ardência, dor, irritação, vermelhidão, ressecamento e turvação visual. Estima-se que até 90% dos usuários de computador por mais de três horas diárias apresentam algum tipo de sintoma relacionados à SRVC”.

O Dr. Sérgio reitera que, independentemente da causa, as doenças da visão precisam de atenção especial. “Seja qual for o sintoma, só um oftalmologista conseguirá avaliar o caso e garantir que o paciente seja tratado para evitar consequências mais sérias. Por isso, para os pacientes que deixaram de ir à consulta durante os últimos meses, é aconselhável que a remarquem suas consultas e sigam as orientações médicas”, reforça o oftalmologista.

O funcionamento do olho e o surgimento de doenças oculares

O olho humano é um sistema complexo que nos permite uma precisão de imagem, foco e cores que são capturadas e enviadas ao nosso cérebro. Esse processo começa com a entrada do raio de luz na córnea, camada transparente na frente do olho, e pela pupila, que é o círculo escuro no centro do olho que se adapta de acordo com a luz recebida. Uma vez dentro do olho, esses raios passam pela lente que está atrás da íris, que por sua vez, focaliza a luz recebida na retina. A retina reveste a parte de trás do olho e é responsável por transformar a informação recebida em sinais neurais e transmiti-los ao cérebro, que vai então, processar os sinais, criando as imagens que vemos.

Pimentel explica que qualquer distúrbio em um dos componentes do sistema ocular pode comprometer a visão. “Existem alterações que podem causar doenças mais simples como a conjuntivite, que é a inflamação da membrana que reveste a parte branca do olho, até doenças mais graves como a retinopatia diabética, que está diretamente relacionada ao diabetes não controlado, assim, provocando a diminuição da visão de maneira progressiva e, em alguns casos, subitamente”.

Saúde ocular: erros de refração

De acordo com o médico, os erros de refração são as alterações mais comuns. “Miopia e astigmatismo são distúrbios bastante conhecidos da população e, de acordo com a OMS, são responsáveis por cerca de 5 milhões de casos de cegueira reversível no mundo. O tratamento desses erros de refração é feito com uso de óculos e lentes de contato e, em alguns casos, cirurgia”, explica. Porém, Dr. Sérgio alerta que conforme envelhece, os problemas com a visão tendem a aumentar, o que pede uma atenção maior por parte do paciente e familiares. “A maior causa de cegueira em pessoas com mais de 50 anos é a degeneração macular relacionada à idade (DMRI), que causa a perda progressiva da visão central, e apesar de ainda não ter cura, existem terapias avançadas que ajudam a diminuir a progressão da doença e preservar a visão do paciente, evitando a perda total”, afirma.

Prevenir é o melhor tratamento

Maria Julia da Silva Araújo, presidente da Retina Brasil, diz que tem recebido alguns questionamentos de pacientes sobre o que fazer durante a quarentena. “O nosso papel na Retina Brasil é de orientar esses pacientes. E, especialmente, durante esse período de pandemia, temos incentivado todos eles a manterem contato com seu oftalmologista para que juntos decidam como prosseguir com o tratamento”, diz Maria Julia.

A presidente da ONG enfatiza a importância do Dia Mundial da Saúde Ocular. “Os trabalhos que realizamos com pacientes e familiares são contínuos, porém, é fundamental aproveitarmos datas como esta para chamarmos ainda mais a atenção para a importância dos cuidados com a visão, não apenas dos pacientes, como também da sociedade como um todo”, enfatiza Maria Júlia.

Pimentel completa dizendo que devemos ficar atentos aos sinais, especialmente os pacientes com diabetes ou acima dos 50 anos. “Pacientes nos grupos de risco para doenças da retina precisam redobrar os cuidados e, ao perceber alguma alteração na visão, é preciso procurar um médico o mais rápido possível. Com um diagnóstico precoce, o médico conseguirá prescrever um tratamento que vai reduzir a progressão da doença, garantindo assim a qualidade de vida do paciente”, finaliza o médico oftalmologista.

Foto: Shutterstock

Fonte: Novartis

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário