Diabetes e depressão: entenda a relação entre as doenças

Pessoas com diabetes podem desenvolver quadro depressivo, assim como a depressão pode levar ao desequilíbrio no índice glicêmico

O setembro amarelo, um alerta contra o suicídio, já ficou para trás. Porém, a preocupação com a depressão e outros transtornos psicológicos, que podem levar ao ato extremo, precisa durar o ano inteiro. Dados da Associação Brasileira de Psiquiatria estimam que mais de 96% dos casos de suicídio estão ligados a transtornos mentais, sendo a depressão a condição predominante. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) o Brasil é o País latino-americano com mais casos do distúrbio mental (atinge 5,8% da população). Além disso, ele está no topo, também, da estatística de pessoas com diabetes: ocupa a quarta posição no ranking mundial (os últimos dados divulgados apontam entre 14 e 16 milhões de pessoas com a doença).

A princípio, essas duas referências parecem ter em comum apenas os números alarmantes. No entanto, a ligação vai além. “A prevalência da alteração psiquiátrica em pacientes com diabetes é o dobro se comparada às pessoas saudáveis, sendo mais frequente em quadros do tipo 2. A literatura mostra que cerca de 30% das pessoas com diabetes apresentam algum grau de depressão”, alerta o coordenador do Departamento de Aspectos Psicossociais e Transtornos Alimentares da Sociedade Brasileira de Diabetes, Dr. Saulo Cavalcanti.

Causa ou Consequência?

É preciso entender que ambas as ações podem ser observadas. De acordo com o médico, a depressão pode afetar negativamente o controle glicêmico das pessoas com diabetes ou ser fator desencadeante desse descontrole em pessoas que não apresentam o quadro. “Existe uma relação bidirecional nesse caso. Entre as razões para a preponderância de depressão nesse grupo estão fatores psicossociais decorrentes da existência da doença crônica propriamente dita, como inabilidade para lidar com os cuidados e os efeitos que o quadro pode desencadear. Há também causas orgânicas, como rompimento do ritmo circadiano, resistência à insulina no sistema nervoso central, processos imunológicos e inflamatórios, e aumento da degeneração dos neurônios, concomitante à diminuição da plasticidade neuronal”, explica o Dr. Cavalcanti.

Em outras palavras: tanto depressão como diabetes apresentam incidência muito alta e uma potencializa os efeitos da outra. O problema é que frequentemente são doenças subdiagnosticadas e subtratadas. O diabetes tipo 2, por exemplo, é a versão mais popular da doença. Porém, gera poucos sintomas, o que a faz passar quase despercebida – quando surgem indícios, como boca seca, a glicose já está bem acima do normal. “Como a depressão crônica pode reduzir a aderência ao tratamento e a piora do controle glicêmico é necessário melhorar o diagnóstico e o tratamento. Dessa forma, a fim de minimizar o risco de complicações, bem como aumentar a qualidade de vida do paciente”, orienta o médico.

Atitudes de Proteção

Em virtude desse quadro, é importante que os médicos realizem uma averiguação criteriosa em pacientes com diabetes sobre a presença de sintomas depressivos, bem como em pacientes depressivos a possível presença de diabetes. “Nos casos abrangendo os dois quadros, a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) apresenta nas suas diretrizes, desde 2014, que o não psiquiatra pode tratar as formas leves ou moderadas da depressão, desde que domine os conhecimentos básicos sobre o tema. Isso porque a terapêutica não deve visar apenas o uso de antidepressivos e/ou psicoterapia, mas abordar e lidar com o estresse provocado pelos problemas de conviver com o diabetes”, orienta o especialista.

Quanto aos psicofármacos, existem cerca de trinta apresentações que demonstram eficácia. Porém, é imprescindível o conhecimento sobre as formulações na hora da prescrição, bem como levar em conta êxito comprovado, preferência do paciente, interações medicamentosas e tolerância à medicação. “Os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) são considerados de primeira linha no tratamento de episódios depressivos. Deve-se evitar, se possível, os antidepressivos tricíclicos e os Inibidores da Monoamina Oxidase (iMAOs), pois têm ação hiperglicêmica”, recomenda. Os antidepressivos, de um modo geral, demoram de duas a quatro semanas para iniciar a ação, e durante o tratamento pode ocorrer recidivas.

Foto: Shutterstock
Fonte: Notícias ao Minuto

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário