Einstein testa medicamento para artrite para evitar tempestade inflamatória em pacientes com Covid-19

O estudo, que será duplo cego e controlado por placebo, está sendo feito em 24 centros em todo o País e com pacientes acima de 18 anos

Pesquisadores do Hospital Israelita Albert Einstein estão testando um medicamento de artrite para pacientes internados sem ventilação mecânica com Covid-19.

Grave complicação que pode ocorrer em pacientes com a Covid-19, a tempestade de citocinas, reação exacerbada do sistema imunológico que pode afetar o funcionamento de órgãos vitais, é, assim, um dos eventos que agrava o estado do paciente, sendo capaz de levá-lo à morte.

Para tentar evitar esse quadro de tempestade inflamatória, pesquisadores do Hospital Israelita Albert Einstein estão realizando, dessa maneira, um estudo em pacientes leves a moderados que estão internados com um medicamento para artrite reumatoide que tem a capacidade de modular o sistema imunológico.

É um imunomodulador para evitar a tempestade de citocinas. Ele inibe uma das vias mais importantes da imunomodulação que são conhecidas nas doenças, como a jak”, afirma o diretor da Academic Research Organization (ARO) do Einstein, Otávio Berwanger.

Assim, eles vão analisar a evolução de 289 pacientes internados com sintomas como febre e pneumonia, mas que não necessitam de ventilação mecânica nem internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O medicamento

O remédio utilizado é o Tofacitinibe, vendido pelo nome comercial Xeljanz, da farmacêutica Pfizer.

“Resolvemos usar alguma medicação mais sofisticada para modular o sistema imunológico e evitar a exacerbação. É uma droga que teve muito sucesso em artrite reumatoide e colite ulcerativa, já tem eficácia comprovada e tem a vantagem de ser uma droga via oral, que pode ser controlada.”

Embora seja uma medicação conhecida, Berwanger alerta que, mesmo que os resultados contra a tempestade de citocinas se comprovem, o medicamento não deve, portanto, ser tomado em casa.

Estudo

O estudo, que será duplo cego e controlado por placebo, está sendo feito em 24 centros em todo o País e com pacientes acima de 18 anos.

Ele teve início em outubro e os últimos pacientes já foram incluídos este mês.

e a gente conseguir provar que consegue, vamos reduzir, então, a mortalidade e a necessidade de suporte de oxigênio mais intenso para tratar as pessoas e fazer com que elas saiam, dessa maneira, bem e sem sequelas.” Os pacientes serão acompanhados por 30 dias após a inclusão no estudo e os resultados devem ser publicados entre fevereiro e março.

Pesquisador da Fiocruz alerta que casos de reinfecção por Covid-19 podem ser mais graves 

Fonte: Estadão

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário